Lillian SUWANRUMPHA/AFP
Lillian SUWANRUMPHA/AFP

Primeira tempestade tropical em três décadas na Tailândia deixa um morto

Meteorologistas alertam para o risco de a tempestade Pabuk causar enchentes e deslizamentos florestais; mais de 6 mil pessoas foram levadas para abrigos

Redação, O Estado de S.Paulo

04 de janeiro de 2019 | 10h32

BANGCOC - A primeira tempestade tropical da Tailândia em três décadas matou uma pessoa nesta sexta-feira, 4, quando chegou ao sul da costa, destruindo árvores e telhados. Autoridades dizem que o fenômeno, chamado de Pabuk, já está perdendo velocidade, mas alertam para o risco de enchentes e deslizamentos florestais.

Autoridades da prevenção de desastres afirmaram que a pessoa morta era das equipes de pesca que tiveram os botes revirados pelos fortes ventos perto da costa da província de Pattani. Outro pescador está desaparecido. Quatro estão seguros.

Meteorologistas alertaram para a chegada de fortes chuvas e ventos em 15 províncias do sul da Tailândia, país conhecido pelas plantações de borracha e por diversas ilhas repletas de turistas.

Na tarde desta sexta, a tempestade estava diminuindo e caminhando para a província de Surat Than, disse em declaração o departamento meteorológico do país. “As pessoas devem estar atentas às condições que podem causar deslizamentos florestais e enchentes”, afirmou.

As condições devem continuar até o sábado. Aeroportos e serviços de trem fecharam, pessoas foram aconselhadas a ficar dentro de casa até que a tempestade passasse. O Centro Nacional de Alerta de Desastres soou alarmes pelas praias turísticas, como Koh Samui e Koh Phangan, exigindo que as pessoas saiam de áreas de alto risco para pontos mais altos.

Durante os últimos dias, mais de 6,1 mil pessoas foram levadas para abrigos, informou o Departamento de Prevenção e Diminuição de Desastres da Tailândia.

O aeroporto de Nakhon Si Thammarat foi fechado e a companhia aérea de baixo custo Nok Airlines Pcl cancelou os oito voos da e para a província. O aeroporto Surat Thani fechará de sexta a sábado, cancelando voos da Nok Airlines, Lion Air e Thai Smile, uma subsidiária da estatal Thai Airways. / REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.