Tempestade tropical nas Filipinas já deixou 27 mortos e 9 desaparecidos

Mais de 600 mil pessoas foram retiradas e suas casa devido aos fortes ventos e alagamentos

Efe

27 de julho de 2011 | 09h54

Moradores de Paranaque, ao sul de Manila, usam barcos para fugir da tempestade

 

 

MANILA - Ao menos 27 pessoas morreram, nove permancem desaparecidas e mais de 600 mil foram deslocadas nas Filipinas por uma tempestade tropical que afeta o arquipélago desde esta terça-feira, indicaram fontes oficiais.

 

As últimas vítimas registradas pelo Conselho Nacional de Gestão e Prevenção de Desastres são os cinco membros de uma família, incluindo uma criança de um ano, sepultados por um deslizamento de terra na província de Catanduanes, no leste do país.

 

Outra menina de 13 anos morreu afogada no começo da manhã na província de Quezón.

 

As dez vítimas restantes, que morreram afogadas, sepultadas por deslizamentos de terra ou atingidas por postes ou árvores que caíram pelo vendaval, residiam nas províncias orientais de Albay, Catanduanes e Camarins Sul. Mais duas faleceram em Marinduque e Iloilo, no centro do país, e outras duas em Cavite, perto de Manila.

 

As autoridades não ofereceram dados adicionais sobre as nove pessoas que permanecem desaparecidas em regiões do leste e do centro do país, nem sobre os 31 feridos por causa do temporal.

 

As inundações causadas em diversos pontos da zona oriental do arquipélago e os múltiplos deslizamentos de terra provocaram o deslocamento forçado de pelo menos 645.137 pessoas.

 

A tempestade tropical, que os filipinos chamam de "Juaning", provocou o fechamento de escolas em boa parte do país e o cancelamento de mais de 20 voos, alem de ter deixado sem eletricidade várias zonas da ilha de Luzon.

 

A depressão tropical, se não mudar de curso, cruzará o norte do país nos próximos dias e já começou a afetar a capital, Manila, com mais de dez milhões de habitantes.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.