Tempestade tropical Prapiroon faz seis mortos nas Filipinas

A passagem da tempestade tropical Prapiroon pelas Filipinas no fim de semana fez pelo menos seis mortos, informou nesta quarta-feira oEscritório de Defesa Civil. Duas pessoas estão desaparecidas, segundo a fonte. Já a tempestade tropical Chris, terceira da atual temporada de furacões do Atlântico Norte, avança rumo às ilhas de Barlavento. Três vítimas morreram afogadas, outra foi atingida por uma árvore derrubada pelo vento e outras duas por um raio, acrescentou a fonte. Cinco mortes aconteceram na província de Isabela e a sexta emQuirino, as mais afetadas pela Prapiroon ("Deus da Chuva", em tailandês). Mais de 14 mil pessoas abandonaram o norte da ilha de Luzon para fugir da tempestade, que ganhou força ao se afastar das Filipinas em direção a Hong Kong.Procedente das Filipinas, a tempestade Prapiroon se encontra a 500 quilômetros da província de Hainan, na China, onde deverá provocar fortes ventos e intensas chuvas. Sua chegada está prevista para quinta-feira em Hainan.CrhisA tempestade tropical Chris, terceira da atual temporada de furacões do Atlântico Norte, ganhou intensidade no Caribe enquanto avança de maneira acelerada rumo às ilhas de Barlavento.Seus ventos máximos chegaram a 96 km/h, com rajadas mais fortes. A previsão é que aumentem durante as próximas 24 horas, informou o Centro Nacional de Furacões (NHC) dos Estados Unidos.A Chris está se aproximando das ilhas de Barlavento. Um aviso de tempestade (passagem em 24 horas) já foi emitido para Porto Rico e para as ilhas Virgens. Segue vigente ainda o aviso para Antígua, Barbuda, Enguia, San Kitts, Nevis, Saba, San Eustatius, San Barthelemy e San Martín. As projeções do NHC indicam que a tempestade possivelmente afetará partes de República Dominicana, Haiti e Cuba nos próximos três dias.Nesta temporada, que começou em 1º de junho e tem fim previsto para 31 de novembro, já se formaram três tempestades tropicais: Alberto, Beryl e Chris, quatro a menos do que no mesmo período da temporada passada, que entrou para a história como a mais intensa e destrutiva já registrada.Os meteorologistas prevêem que este ano se formem 17 tempestades tropicais. Dessas, nove podem se transformar em furacões, cinco deles com ventos superiores a 178 km/h.No ano passado foi registrada a formação de 27 tempestades tropicais e quinze furacões, sete dos quais alcançaram as categorias 3, 4 e 5, as máximas na escala de intensidade Saffir-Simpson.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.