Tempestades chegam a Brisbane, terceira maior cidade da Austrália

Moradores começam a proteger casas com sacos de areia; governo pede que população fique em casa

Efe,

10 de janeiro de 2011 | 05h20

Chuva não dá trégua no país há duas semanas.

 

SYDNEY - As fortes chuvas que provocaram graves inundações no nordeste da Austrália chegaram nesta segunda-feira, 10, a Brisbane, a terceira maior cidade do país, enquanto piora a situação nas regiões afetadas do estado de Queensland.

 

Desde que no começo da manhã foi emitido emitiu o alerta devido às chuvas, os 2 milhões de habitantes de Brisbane começaram a proteger suas casas com sacos de areia, sobretudo nas áreas mais baixas. As autoridades advertiram à população que fique em casa e evite as estradas até que passe o temporal, que matou quatro pessoas desde o Natal e 11 desde novembro.

 

Ao mesmo tempo, as enchentes ameaçam agora chegar a zonas turísticas e de maior densidade demográfica que a das 40 comunidades até agora afetadas em Queensland.

 

As inundações deixaram parcialmente submersa a localidade de Gypmie e interromperam a provisão de energia elétrica de algumas áreas da Sunshine Coast, com a cheia do rio Mary. A Gold Coast também está em alerta, cujas praias costumam ficar cheias de veranistas nesta época do ano.

 

Mas a maior devastação continua acontecendo no interior do estado, onde a localidade de Dalby espera a terceira série de inundações em menos de três semanas e os 70 mil habitantes de Rockhampton continuam aguardando que o nível de água desça para começar os trabalhos de limpeza e reconstrução.

 

A primeira-ministra australiana, Julia Gillard, advertiu no sábado que será preciso gastar centenas de milhões de dólares para reparar os danos causados pelas piores enchentes em cinco décadas.

O governo desembolsou, por enquanto, US$ 4 milhões para dar assistência aos 200 mil desabrigados e aprovou um fundo especial de quase US$ 77 milhões para as prefeituras.

 

Segundo estimativas oficiais, o valor dos danos causados às infraestruturas pelas inundações superará US$ 5 bilhões, sem contabilizar ainda as perdas para o setor agrícola e para a indústria mineradora.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.