Tempestades de neve atingem nordeste dos EUA

Região chegou a acumular 48 centímetros de neve, deixando diversas pessoas isoladas e sem energia elétrica

AE, Agência Estado

27 de janeiro de 2011 | 13h04

Moradores de Nova York tentam retirar carro soterrado pela neve. Foto: Richard Drew/AP Photo

     

 

 

BOSTON - Os americanos que vivem no nordeste do país tiveram de desenterrar seus carros da neve, limpar as calçadas e enfrentar uma confusa manhã para ir ao trabalho depois que uma tempestade despejou 48 centímetros de neve na região. A tempestade provocou uma mistura de chuva e neve, impedindo milhares de passageiros de companhias aéreas de viajar e deixando mais de 400 mil pessoas na região de Washington sem energia elétrica. Em muitas áreas as escolas públicas permaneceram fechadas pelo segundo dia seguido e os motoristas foram advertidos sobre as perigosas condições das estradas.

Na cidade de Nova York, até mesmo a Estátua da Liberdade foi fechada para a remoção da neve. No Central Park foram registrados 39 centímetros de neve e em partes de Nova Jersey o registro foi de mais de 48 centímetros, informou o Serviço Nacional de Meteorologia. Os meteorologistas esperam até 30 centímetros de neve na região de Boston e 36 centímetros em áreas de Rhode Island. Na Filadélfia, cerca de 43 centímetros já haviam caído quando a tempestade tomou o rumo do norte.

Em Massachusetts, as viagens de carro ficaram perigosas por causa dos ventos de até 79 quilômetros por hora registrados na manhã de hoje. Em Lynn, também em Massachusetts, um telhado ruiu numa fábrica de laticínios. Não está claro se havia alguém no interior do estabelecimento, e as autoridades ainda não tinham certeza se o incidente teve relação com o clima.

Com a aproximação da tempestade, ontem, escolas foram fechadas e funcionários públicos foram para casa mais cedo. Carros e ônibus derrapavam nas ruas e estradas. Pedestres tinham dificuldades para andar nas calçadas, cheias de gelo.

Nos três principais aeroportos da área de Nova York, que estão entre os mais movimentados do país, mas de mil voos foram cancelados. Cerca de 1.500 pessoas ficaram presas durante a noite no Aeroporto Internacional da Filadélfia, onde mais de 400 voos foram cancelados. A chuva que atingiu a capital Washington durante a maior parte do dia virou granizo antes de começar a nevar, no meio da tarde.

Obama

As estradas cheias de gelo e neve criaram condições perigosas para o presidente Barack Obama enquanto ele retornava para a Casa Branca após uma viagem ao Wisconsin. Em vez do helicóptero, Obama teve se seguir em comboio para percorrer o percurso entre a Base da Força Aérea Andrews até a Casa Branca. Ele retornou para Washington na tarde de ontem.

As autoridades pediram aos moradores de Washington e Maryland que não pegassem as estradas. Desde 14 de dezembro, a neve caiu oito vezes sobre a região de Nova York, em média uma vez a cada cinco dias, incluindo a nevasca que provocou 50 centímetros de neve e paralisou o tráfego após o Natal. Quando a nova nevasca começou, ontem, a cidade já tinha sido atingida por 91 centímetros de neve neste inverno, ante a média 53 centímetros para toda a estação.

A cidade declarou estado de emergência pela segunda vez desde a tempestade de 26 de dezembro. Isso significa que qualquer carro que estiver interrompendo o fluxo ou impedindo o trabalho das máquinas que retiram neve pode ser levado, e os custos serão pagos pelo proprietário. As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
EUAnevetempestades

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.