Tempestades matam 32 pessoas na Ilha da Madeira

Violentas tempestades provocaram a morte de pelo menos 32 pessoas na Ilha da Madeira, em Portugal, neste sábado, informaram autoridades locais. O governo português ainda avalia se será declarado estado de emergência e se buscará ajuda da União Europeia (UE) para lidar com a situação.

AE-DOW JONES, Agencia Estado

20 de fevereiro de 2010 | 18h23

"Já temos 32 mortos e 68 feridos, todos eles internados", declarou João Cunha e Silva, vice-presidente do governo do território insular português, em entrevista à emissora de televisão Sic Notícias.

O aeroporto da ilha está fechado e o prefeito de Funchal, Miguel Albuquerque, recomendou à população que permaneça em casa. Fortes ventos e chuvas registrados durante a madrugada causaram enchentes e deslizamentos de terra, principalmente na região sul da Ilha da Madeira, situada no Oceano Atlântico, cerca de 900 quilômetros a sudoeste da costa de Portugal.

Ventos de mais de cem quilômetros por hora, nível do mar elevado e estradas bloqueadas dificultavam hoje as operações de salvamento. Diversas áreas da ilha estão sem serviços de eletricidade e telefonia.

De acordo com a mídia portuguesa, trata-se da mais mortífera tempestade a atingir a Ilha da Madeira desde outubro de 1983, quando oito pessoas morreram. O primeiro-ministro de Portugal, José Sócrates, declarou-se chocado e prometeu apoio do governo aos habitantes da ilha.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.