EFE / NARONG SANGNAK
EFE / NARONG SANGNAK

Templo de Bangcoc onde ocorreu atentado é reaberto ao público

Centenas de fiéis foram ao santuário para prestar homenagens às vítimas do maior atentado já ocorrido na Tailândia

O Estado de S. Paulo

19 de agosto de 2015 | 09h34

BANGCOC - Autoridades de Bangcoc reabriram ao público nesta quarta-feira, 19, o altar religioso onde uma bomba explodiu na segunda-feira deixando 22 mortos e mais de 120 feridos, segundo números oficiais.

Nesta manhã, centenas de fiéis foram ao santuário de Erawan, em uma das esquinas mais movimentadas do coração comercial da capital tailandesa, para rezar, acender incensos e colocar flores no local onde ocorreu o pior ataque que o país já viu.

Um dos fiéis expressou sua tristeza com o ocorrido. “Estou deprimido por essas pessoas inocentes que tiveram que pagar por algo que não tem a ver com elas, e agora não podem viver suas vidas”, disse Nuansupha Sarunsikarin.

O primeiro-ministro da Tailândia, Prayuth Chan-ocha, afirmou que está preocupado com a segurança da cidade, que recebe milhões de turistas e nunca havia sofrido um atentado de tamanha magnitude.

O santuário de Erawan é um lugar venerado por tailandeses e turistas. Dedicado ao deus hindu Brahma, ele é muito popular entre os budistas do país e turistas chineses. A Tailândia é de maioria budista, mas o hinduísmo tem muitas influências em suas práticas religiosas e em seu idioma. /ASSOCIATED PRESS

Tudo o que sabemos sobre:
Tailândiaatentadotemplo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.