Ariana Cubillos/AP
Ariana Cubillos/AP

Tenente venezuelano refugiado na Colômbia vê risco de insurreição militar

O tenente José Alejandro Méndez Sánchez é um dos vários militares que desertaram e disse que há 60 presos na sede da Direção-Geral de Contrainteligência Militar

O Estado de S.Paulo

27 Abril 2017 | 05h00

BOGOTÁ - O tenente José Alejandro Méndez Sánchez, um dos militares venezuelanos acusados de ser desertores pelo governo do presidente Nicolás Maduro e que solicitaram refúgio na Colômbia, afirmou nesta quarta-feira que é "possível" que aconteça uma insurreição militar na Venezuela.

"Sim, é possível", disse Méndez ao ser consultado pela emissora "Caracol Radio" sobre a possibilidade de que o país vizinho seja palco de uma insurreição das Forças Armadas, e acrescentou que ele e seus companheiros desertaram por "princípios, costumes e valores".

O tenente declarou, além disso, que há 60 militares detidos na sede da Direção-Geral de Contrainteligência Militar, motivo pelo qual eles viajaram a Bogotá para denunciar a situação perante a Organização dos Estados Americanos (OEA).

A chancelaria colombiana confirmou nesta quarta-feira que recebeu a solicitação de refúgio de três militares venezuelanos acusados de serem desertores pelo governo de Maduro.

Segundo disse à agência EFE uma fonte oficial, é impossível dizer, por enquanto, se a solicitação dos três militares venezuelanos será aceita ou não, até que se conclua a análise dos casos.

No sábado passado, a chanceler venezuelana, Delcy Rodríguez, solicitou à Colômbia a entrega dos três militares aos quais acusa de convocar um golpe de Estado e que, após deserdar da Força Armada Nacional Bolivariana (FANB), fugiram para este país no final de março.

Nesta quarta-feira, Rodríguez anunciou que seu país iniciará nesta quinta-feira um procedimento para abandonar a OEA depois de que esse organismo convocou uma reunião de chanceleres sem o aval venezuelano.

A Colômbia recebeu no ano passado 316 petições de refúgio, das quais 66 foram rejeitadas, outros 25 solicitantes não compareceram à entrevista, 27 desistiram, duas não foram reconhecidas como válidas para iniciar o processo e o restante está em trâmite. / EFE

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.