Tensão entre Coreias é 'barril de pólvora', diz enviado dos EUA

Em visita a Pyongyang, Bill Richardson pediu à Coreia do Norte 'moderação' diante de exercícios militares coreanos.

BBC Brasil, BBC

18 de dezembro de 2010 | 07h51

China e Rússia pediram fim da escalada de tensões

Um enviado não-oficial americano para a questão coreana, Bill Richardson, qualificou neste sábado a tensão entre a Coreia do Sul e do Norte como "um barril de pólvora", após uma visita à capital norte-coreana, Pyongyang.

Em uma entrevista à rede de TV CNN depois da viagem, ele disse que fez "pequenos avanços" na promoção do diálogo entre os dois vizinhos e que pediu às autoridades norte-coreanas para exercer "moderação" diante das tensões.

"Neste momento, (a situação) é um barril de pólvora", afirmou Richardson.

"O que precisamos fazer agora é não apenas acalmar as coisas, mas considerar as medidas que podem ser tomadas pelos norte-coreanos, especialmente, quem sabe, permitir o acesso à agência atômica internacional (AIEA) para que examine o arsenal (norte-coreano)."

A visita ocorre no momento em que a Coreia do Sul se prepara para realizar manobras militares no Mar Amarelo, em resposta ao ataque a míssil norte-coreano que matou quatro sul-coreanos no mês passado.

"Pedi extremo comedimento. Vamos acalmar as coisas. Evitar as reações. Deixemos os exercícios acontecerem", afirmou o enviado.

"Minha impressão dos norte-coreanos é que eles estão buscando formas de moderar as coisas. Talvez isto continue hoje, espero."

Richardson, que é governador do Estado do Novo México, viajou por sua própria conta à Coreia do Norte - com quem os EUA não têm relações diplomáticas -, mas no passado já exerceu a função de moderador entre os dois vizinhos.

Exercícios militares

A agência de notícias sul-coreana, Yonhap, noticiou que os exercícios militares com artilharia devem ser realizados no início da próxima semana, devido ao mau tempo neste fim de semana.

Ataque a ilha em região disputada matou quatro sul-coreanos

A simulação de um dia está marcada para ocorrer entre este sábado e a terça-feira na região da ilha de Yeonpyeong, perto da fronteira em disputa entre os dois países.

A mídia estatal norte-coreana tem advertido que, se os exercícios forem levados adiante, o país pode atacar o sul em maior escala que o ataque anterior, em caráter "imprevisível" e "de autodefesa".

Na ofensiva norte-coreana à Coreia do Sul, em 23 de novembro, quatro soldados e dois civis sul-coreanos morreram.

A Chila advertiu que um conflito entre os dois vizinhos desestabilizaria a região e pediu que ambos os governos evitem a escalada da tensão. Mas o governo chinês até agora se limitou a expressar "grande preocupação" com a possibilidade.

Na sexta-feira, a Rússia - que faz fronteira com a Coreia do Norte - pediu às autoridades americanas e sul-coreanas que cancelem os exercícios militares.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.