Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Tensão Israel-EUA é 'milagre' e pode ser 'chave' para paz, afirma Lula

A turbulência na relação EUA-Israel iniciou uma intensa movimentação de bastidores na diplomacia e no Congresso americano. O chanceler israelense, Avigdor Lieberman, insistiu que a expansão de construções em Jerusalém Oriental não será revogada, como queriam os EUA, e organizações americanas pró-Israel lançaram uma ofensiva entre congressistas. De Ramallah, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse que a tensão Israel-EUA é o "impossível" e pode ser a "chave" para a paz.

REUTERS, O Estadao de S.Paulo

18 de março de 2010 | 00h00

Ao encontrar-se com o presidente da Autoridade Palestina (AP), Mahmoud Abbas, Lula ouviu que a diplomacia brasileira não pode contribuir diretamente para desfazer a cisão entre as facções Fatah e o Hamas. Abbas, entretanto, exortou Lula a levar a questão palestina ao presidente iraniano, Mahmoud Ahmadinejad, em sua visita a Teerã, em maio. O auxílio do Irã ao Hamas prejudica o diálogo palestino, disse o presidente da AP.

Em Genebra, diplomatas iranianos intensificaram ontem sua campanha para que o Itamaraty apoie a candidatura de Teerã ao Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas. O órgão reúne 47 países eleitos pela Assembleia-Geral da ONU. Americanos e europeus já se mobilizam para evitar que o Irã, acusado de graves violações, consiga uma cadeira no conselho.

Lula depositou ontem flores no túmulo do histórico líder palestino Yasser Arafat, em Ramallah. Após a homenagem, o presidente criticou o muro israelense construído para isolar palestinos e criticou assentamentos na Cisjordânia, afirmando que as construções apagam "as velas da esperança".

Sobre a recente discórdia entre americanos e israelenses envolvendo a construção de 1.600 casas em Jerusalém Oriental, Lula tentou mostrar otimismo: "O que parecia impossível aconteceu: os EUA divergindo de Israel. Quem sabe essa divergência era a coisa que faltava para se chegar a um acordo."

"A exigência para proibir judeus de construir em Jerusalém Oriental não é razoável. Imagine se proibíssemos árabes de construir na região", disse o chanceler israelense, em reação às pressões de Washington para que revogue a expansão anunciada no domingo. O primeiro-ministro de Israel, Binyamin "Bibi" Netanyahu, embarcará no início da próxima semana para Washington, onde discursará na convenção da maior organização americana pró-Israel.

Sob pressão de congressistas, a Casa Branca decidiu evitar declarações sobre a discórdia com Israel.

Brasileiro encerra giro de 5 dias pelo Oriente Médio

Após passar por Israel e Cisjordânia, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva encerra hoje seu primeiro giro pela região com uma visita a Jordânia. Lula esteve com os principais líderes israelenses e discursou no Parlamento de Israel. Visitou o museu do Holocausto, onde prometeu atuar para que "nunca mais" um genocídio ocorra. No território palestino, passou por Belém e seguiu para Ramallah. Lá, homenageou o fundador da Autoridade Palestina, Yasser Arafat, e criticou assentamentos israelenses.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.