Tensão marca 5º ano da tomada de Bagdá

Reforço inclui toque de recolher

AP e Reuters, O Estadao de S.Paulo

09 de abril de 2008 | 00h00

Autoridades iraquianas impuseram diversas medidas de segurança para proteger Bagdá hoje, dia que marca o quinto aniversário da tomada da cidade pelas tropas dos EUA. Em 9 de abril de 2003, os soldados derrubaram a gigantesca estátua de Saddam Hussein na Praça Firdus - imagem que se transformou num dos principais símbolos usados por Washington no início da guerra.Carros e motos estão proibidos de circular na cidade das 5 horas de hoje até a meia-noite. Homens em idade militar também não poderão entrar na capital durante todo o dia.Uma grande manifestação contra os EUA - um dos maiores temores das autoridades - foi cancelada. Alegando preocupações com a segurança, o clérigo radical xiita Muqtada al-Sadr suspendeu a marcha de um milhão de pessoas, que havia convocado na semana passada em protesto contra a presença americana no país.No entanto, Sadr ameaçou pôr fim ao cessar-fogo declarado por sua milícia (o Exército Mehdi), caso o governo não interrompa os ataques contra seus homens. A trégua do Mehdi - que vigora desde agosto - é vista como um dos fatores que colaboraram para a redução da violência no país.Há duas semanas, as forças de segurança iraquianas lançaram uma intensa ofensiva contra o Exército Mehdi, principalmente em Basra (sul) e Bagdá. O confronto terminou quando Sadr ordenou a seus homens que parassem de lutar, argumentando que o cessar-fogo seguia em vigor.Na segunda-feira, Sadr chegou a afirmar que aceitaria desmantelar o Mehdi, se seus superiores religiosos ordenassem. Ele fez a proposta depois que o primeiro-ministro Nuri al-Maliki ameaçou bani-lo do processo político.Mas, o clérigo xiita afirmou ontem que pode ordenar que a milícia volte às ruas. ''Se for necessário levantar o cessar-fogo para alcançar nossas metas, objetivos, doutrinas e princípios religiosos, faremos isso.''Desde domingo, tropas americanas e iraquianas estão atacando Cidade Sadr, o principal reduto xiita de Bagdá. Aviões dos EUA dispararam ontem pelo menos três mísseis na área, matando 14 pessoas e ferindo 37. Dois soldados americanos morreram ontem em Bagdá, elevando para 12 o número de mortos desde domingo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.