Tensão marca reunião dos líderes europeus

Os quinze líderes europeus começam hoje a reunião de Cúpula em clima de muita tensão, tentando recuperar a fratura de um dos mais graves momentos institucionais da União Européia (UE). O bloco chega a Bruxelas dividido entre os aliados de Washington, liderados por Reino Unido e Espanha; e os que preferiam ver a decisão da guerra pela Nações Unidas, entre os quais França e Alemanha.O primeiro a chegar ao edifício do Conselho da UE, no centro de Bruxelas, foi o primeiro-ministro grego, Costas Simitis, na condição de presidente de turno da UE, e os últimos foram o primeiro-ministro britânico, Tony Blair, o presidente da França, Jacques Chirac, e o chanceler alemão, Gerhard Schroder. A foto dos quinze, normalmente feita na entrada, não aconteceu. Segundo o programa, a foto oficial será feita dos chefes de Estado e de governo em volta da mesa de trabalho. "Não devemos começar discussões improdutivas, vamos ver somente as diferenças", afirmou o primeiro ministro belga, Guy Verhofstadt. O presidente do Parlamento Europeu, o irlandês Pat Cox, disse que os líderes devem aprender como "colocar as divisões sobre a mesa", resumindo as duas únicas declarações da chegada. Veja o especial :

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.