Tensão no Bahrein está em estágio perigoso, diz chanceler

Autoridades temem divisão entre comunidades religiosas e aumento da violência no reino

Agência Estado

23 de março de 2011 | 12h40

ISTAMBUL - A situação no Bahrein está em um "estágio muito perigoso", disse nesta quarta-feira, 23, o ministro das Relações Exteriores do país, o xeque Khaled bin Ahmad al-Khalifa, em entrevista ao canal turco NTV. "O que está ocorrendo agora no Bahrein é um estágio muito perigoso. Há estabilidade, mas estamos absolutamente com medo de divisão entre as comunidades religiosas".

 

Veja também:

especialInfográfico:  A revolta que abalou o Oriente Médio

mais imagens Galeria de fotos: Veja imagens dos protestos na região

 

O Bahrein é controlado pela família real sunita Al-Khalifa, mas tem sofrido com protestos liderados pela maioria xiita. "Em toda a região, nós deveríamos ter um acordo estratégico sobre como proceder nesse processo de transformação", notou o ministro, referindo-se aos levantes no mundo árabe.

 

Al-Khalifa disse que a Turquia e o Bahrein deveriam ter uma política comum sobre a divisão entre comunidades religiosas e o mundo islâmico. O chanceler do Bahrein visitou a Turquia para tratar da instabilidade em seu próprio país. "Nós deveríamos discutir com nossos aliados turcos sobre uma posição comum para essas divisões e conflitos entre comunidades religiosas", avaliou.

 

No mês passado, o príncipe Salman ofereceu o início de um diálogo sobre temas que instigaram os protestos que duram um mês no centro da capital do Bahrein, Manama. Mas a oposição liderada pelos xiitas diz que se recusa a ser coagida a dialogar, exigindo um ambiente "correto" para negociações a fim de se resolver os conflitos políticos. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.