Maxar Technologies/Handout via REUTERS
Maxar Technologies/Handout via REUTERS

Tentativa de alargar Canal de Suez fracassa e navio segue encalhado após 5 dias

Autoridades tentam fazer dragagem para libertar embarcação e liberar um dos principais trechos de tráfego marítimo do mundo

Redação, O Estado de S.Paulo

27 de março de 2021 | 14h21
Atualizado 27 de março de 2021 | 16h24

ISMAILYA - Cinco dias após um dos maiores porta-contêineres do mundo encalhar no Canal de Suez, o tráfego na região segue engarrafado neste sábado, 27. Uma tentativa frustrada de dragagem foi realizada por autoridades na esperança de alargar o trecho e desobstrui-lo, mas o navio Ever Given, que possui o tamanho do Empire State, segue bloqueando uma das principais artérias marítimas do planeta e atrasando os embarques de mercadorias e commodities para o mundo.

Em uma coletiva de imprensa realizada neste sábado, o tenente-general Osama Rabei, responsável pelo canal, disse a repórteres não ser possível estabelecer um prazo de quando o navio poderá ser desalojado, ressaltando a dificuldade da operação. Ele explicou que depois de retirar a areia da costa em que o Ever Given está encalhado e cavar para aumentar a profundidade do canal na área, a principal opção no momento seria arrastar o navio.

Ainda de acordo com Rabei, a outra opção é descarregar uma parte para aliviar o peso do navio, que possui 18.300 contêineres de mercadorias a bordo.  Entretanto, o tenente-general acredita que a dragagem seja suficiente para libertá-lo. "É difícil dizer um tempo para solucionar o problema. Não posso dizer quando vamos terminar, talvez esta noite, se Deus quiser, ou amanhã", afirmou Rabei. Ele afirmou ainda que os fatores meteorológicos podem não ser as únicas razões para o encalhe e apontou "outros erros - humanos ou técnicos". 

Em pouco menos de uma semana após o Ever Given encalhar, um congestionamento marítimo cresceu para cerca de 321 navios perto de Port Said, no Mar Mediterrâneo. O navio ficou preso em um trecho de pista única do canal, cerca de seis quilômetros  ao norte da entrada sul, perto da cidade de Suez. 

O navio Ever Given, de bandeira do Panamá, que foi lançado em 2018, tem cerca de 400 metros de comprimento e 59 metros de largura e estava a caminho de Roterdã, na Holanda, de acordo com o site de rastreamento de navios da Marine Traffic.

Bilhões de dólares encalhados

Com o bloqueio do tráfego no Canal de Suez, bilhões de dólares em mercadorias - calculados entre US$3 bilhões e US$ 9 bilhões por dia -  também ficaram presos e as consequências econômicas exatas dependerão da duração da paralisia.

O bloqueio "não poderia vir em momento pior para o canal mais usado" do mundo, em meio à pandemia do coronavírus, comenta Jonathan Owens, especialista em logística da University of Salford Business School.

"Dado o grande número de partes afetadas pela situação, direta e indiretamente, é impossível neste nível quantificar o valor das mercadorias em atraso", considera Daniel Harlid, analista da Moody's. / AP, AFP e EFE 

Tudo o que sabemos sobre:
Canal de Suezcoronavírus

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.