Tentativa de ataque à família real holandesa deixa 5 mortos e 12 feridos

Motorista avança sobre multidão com o objetivo de atingir ônibus em que estavam a rainha e o príncipe herdeiro

Reuters, AFP e AFP, APELDOORN, HOLANDA, O Estadao de S.Paulo

01 de maio de 2009 | 00h00

Um ataque contra a família real chocou a Holanda ontem no Dia da Rainha, feriado nacional. Um Suzuki Swift preto furou o esquema de segurança e atropelou várias pessoas antes de bater forte contra o obelisco da entrada do Parque Het Loo, destino do ônibus que levava a rainha Beatrix e o príncipe herdeiro Guilherme-Alexander. Cinco pessoas morreram e 12 ficaram feridas - 4 delas em estado grave. Assista ao vídeo do suposto atentado contra a rainha Beatrix e a família realO motorista foi levado para um hospital também em estado grave. A polícia não conseguiu interrogá-lo. O ministério público da Holanda, porém, confirmou que se tratou de "um atentado contra a família real". O promotor Ludo Goossens disse que a conclusão tinha como base as poucas palavras sussurradas pelo motorista aos policiais e médicos que o socorreram.A polícia não revelou a identidade do motorista, apenas disse que era um holandês de 38 anos sem ficha criminal ou histórico de problemas mentais. Dirigindo em alta velocidade, ele conseguiu passar por duas barreiras de segurança, danificando bastante o carro, e por pouco não atingiu o cortejo real, que havia entrado no parque segundos antes.MOBILIZAÇÃOImediatamente após o ataque, 250 agentes policiais entraram no caso. A polícia vasculhou a casa do motorista, na cidade de Huissen, norte do país, mas não revelou nenhum detalhe da busca, apenas que ele morava sozinho. "Não há indicação de outras pessoas envolvidas nem de um ataque terrorista", disse Goossens, que confirmou que um esquadrão antibomba revistou o carro e não encontrou explosivos.As imagens de TV mostraram vários membros da família real, incluindo a princesa Máxima, mulher do príncipe herdeiro Guilherme-Alexander, olhando com expressão de horror após o carro atropelar a multidão. O ônibus real seguiu para o Palácio de Het Loo. CONDOLÊNCIASQuatro horas após o ataque, a rainha Beatrix foi à TV transmitir condolências às famílias das vítimas. A bandeira da Casa de Orange-Nassau do Palácio de Het Loo desceu a meio pau e a agenda oficial do feriado foi cancelada. "O que começou como um belo dia terminou com uma tragédia que teve um impacto profundo sobre todos nós", disse Beatrix. A programação do Dia da Rainha também foi suspensa em várias cidades da Holanda. "O medo e as imagens que a família presenciou são razões para cancelar o programa oficial", disse Fred de Graaf, prefeito de Apeldoorn.O primeiro-ministro holandês, Jan Peter Balkenende, também disse ter ficado "profundamente chocado" com o "trágico acontecimento" de Apeldoorn. "A Holanda está abalada por causa do que ocorreu", disse o premiê.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.