Teocracia afegã muda geopolítica da região

Teocracia afegã muda geopolítica da região

Irã assiste com cautela esse novo redesenho e teme a ascensão de aliados também sunitas e extremistas do Taleban no Paquistão

Renata Tranches, O Estado de S.Paulo

22 de agosto de 2021 | 05h00

A tomada de poder pelo Taleban instituiu no Oriente Médio uma terceira teocracia islâmica que mexe com o jogo de forças na região. Enquanto o Irã está em “modo de pânico” por radicais islâmicos rivais ganharem força no vizinho, o Paquistão celebra um aliado para fazer frente à Índia. No entanto, o fortalecimento de um movimento Taleban paquistanês pode por uma sombra sobre as perspectivas de Islamabad no médio prazo, segundo analistas em entrevista ao Estadão.

Ao lado de Arábia Saudita, sunita wahabista, e do Irã, xiita, o Afeganistão passou a uma teocracia sunita salafista no Oriente Médio, como explica a analista e professora do US Naval War College (EUA) Hayat Alvi. Na sua visão, o regime comandado pelos radicais, com o tempo, deve ir além e impor um sistema religioso fascista aos afegãos, apesar de tentarem provar o contrário nesse momento.

Com um recém-empossado presidente linha-dura, o Irã assiste com cautela esse novo redesenho e teme a ascensão de aliados também sunitas e extremistas do Taleban no Paquistão. “Por essa razão, e antecipando o fortalecimento do Taleban no Paquistão, o regime do Irã implantou milícias xiitas dentro do Afeganistão”, afirma a professora. O cenário poderá resultar em uma violência sectária com potencial de se espalhar pela região. “É a receita para o desastre.”

O Irã já tem estado sob pressão para proteger os locais sagrados do xiismo e essa comunidade religiosa no Afeganistão, como explica o professor e especialista em Islã e política da Universidade de Delaware Muqtedar Khan. Ele também acredita na possibilidade de conflitos entre xiitas e sunitas dentro do Afeganistão com o envolvimento do Irã.

Em uma perspectiva geral, segundo Khan, a chegada do Taleban ao poder provoca uma mudança significativa. Se antes o Afeganistão vinha sendo dominado pela parceria Estados Unidos-Índia, agora ele passa a ficar sob a influência de Paquistão e China.

O rearranjo de forças, segundo Alvi, começou a ocorrer assim que os EUA iniciaram a retirada de seus soldados do país, o que precipitou as mudanças nas configurações de poder, incluindo o envolvimento de uma variedade de milícias pela região. “Eles agora estão lutando para escolher um lado para apoiar, ou o do Taleban ou daqueles que estão contra o grupo”, diz a professora.

Segundo Alvi, países como Rússia, China, Paquistão e Índia estão considerando ir além da diplomacia e analisando ações estratégicas para proteger seus respectivos interesses na região, principalmente no Afeganistão. Enquanto a China claramente decidiu forjar uma relação positiva com o Taleban, a embaixada da Rússia recorreu às forças do próprio Taleban para a sua proteção e a de seu pessoal, como explica a analista. “Índia, Irã e as repúblicas da Ásia Central estão provavelmente bastante nervosos e ansiosos.”

Para Khan, se o Taleban permitir a entrada de grupos islâmicos e jihadistas para serem treinados e atuarem no território afegão, isso terá novas consequências e representará um problema para todos os países em volta. Podem ser grupos para receber treinamento e agir militarmente na disputada Caxemira, na fronteira entre Paquistão e Índia, ou na Província de Xinjiang, onde se concentra a minoria uigur na China. “O Paquistão talvez queira grupos paquistaneses treinados no Afeganistão. Se algum ataque ocorrer na Índia, pode negar que tenha partido do seu território”, avalia o professor Khan.

Os desdobramentos, porém, também impõem um risco interno no Paquistão, segundo a professora Alvi, uma vez que a versão taleban no país, o Tehrik-i-Taliban Pakistan (TTP), tem celebrado a vitória do grupo radical no país vizinho. “Há um risco inerente de o TTP buscar as mesmas ações estratégicas de empoderamento dentro do Paquistão e, se isso acontecesse, o grupo supostamente teria acesso às armas nucleares do Paquistão”, diz Alvi.

Enquanto Estado e sociedade, o Paquistão, explica Khan, é muito heterogêneo. Se por um lado o governo paquistanês não seja totalmente favorável a um apoio ao Taleban, as Forças Armadas e as agências de inteligência são. “Para eles, o grupo é um instrumento muito importante.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.