Tepco diz que alta na radioatividade em Daiichi foi erro

Autoridades afirmaram que a medição que indicou um nível de radiação mais de 10 milhões de vezes acima do normal em um reator da usina Daiichi, em Fukushima, no Japão, foi um equívoco. "O número não é confiável", afirmou Takashi Kurita, porta-voz da Tokyo Electric Power Co. (Tepco), que opera o complexo nuclear. "Nós sentimos muito", se desculpou.

AE, Agência Estado

27 de março de 2011 | 11h01

O nível de radioatividade medido foi tão alto que o funcionário que fez a medição abandonou o local às pressas antes de fazer uma segunda leitura. Kurita disse que novas amostras de água estão sendo retiradas do reator para que se obtenha uma avaliação mais adequada dos níveis de radiação, mas não informou quando os resultados serão divulgados.

Equipes de emergência que tentam retirar água contaminada de dentro do complexo nuclear de Daiichi fugiram das instalações de um dos reatores danificados pelo terremoto do dia 11 após a verificação do forte aumento da radioatividade no local. Autoridades dizem que ainda não sabem de onde a água contaminada está vindo, mas Yukio Edano, chefe de gabinete do governo do Japão, afirmou que é "quase certo" que ela está vazando do núcleo rompido de um dos reatores. As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
Japãoterremotoradioatividade

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.