Tepco espera estabilizar reatores de Fukushima apenas em janeiro

Reatores devem recuperar refrigeração estável 3 meses e apagar combustível nuclear em até 9 meses

Efe

17 de maio de 2011 | 10h43

Tóquio - A Tokyo Electric Power Company (Tepco), operadora da usina nuclear de Fukushima, confirmou nesta terça-feira, 17, que espera estabilizar em janeiro os reatores danificados da central, o que poria fim à crise nuclear provocada pelo tsunami de 11 de março.

 

A empresa revisou nesta terça-feira o plano apresentado há um mês para levar os reatores de Fukushima a um estado de "parada fria".

 

Em suas linhas básicas, o plano revisado pela Tepco mantém o dia de 17 de abril como base, pelo que os reatores recuperariam uma refrigeração estável em três meses a partir desta data, e entre seis e nove meses seu combustível nuclear seria apagado.

 

A Tepco divulgou nesta terça-feira que pretende levar em meados de julho os reatores 1, 2 e 3 de Fukushima a essa situação de resfriamento estável e ser capaz de deixá-los em "parada fria" em janeiro, informou a agência local "Kyodo".

 

A empresa anunciou que revisará o plano anterior de encher com água a estrutura de contenção de reator 1, o mais afetado pelo terremoto e o tsunami, e trabalhará agora para criar um sistema de circulação hidráulica para resfriar esta e as outras unidades.

 

A mudança de planos acontece após ser divulgado que parte do combustível do reator 1 se fundiu nas primeiras horas da crise e perfurou a estrutura de pressão, pelo que o líquido passou a vazar para a estrutura de contenção primária e, daí, possivelmente para o edifício que aloja a unidade.

 

A Agência de Segurança Nuclear japonesa indicou nesta terça-feira que as barras de combustível dos reatores 2 e 3 de Fukushima também podem ter se fundido.

 

O terremoto e o devastador tsunami de 11 de março deixaram sem resfriamento três reatores e uma piscina de combustível da unidade 4 da central de Fukushima, cujas emissões deslocaram mais de 80 mil pessoas, e prejudicaram a pesca, a agricultura e a pecuária locais.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.