Tepco levará dias para reativar sistema de reciclagem de água radioativa

Componente que absorve césio ainda não foi substituído após atingir nível máximo de radiação

Efe,

19 de junho de 2011 | 03h35

TÓQUIO - A operadora da usina nuclear de Fukushima Daiichi, Tokyo Electric Power (Tepco), demorará dias para restaurar o sistema de reciclagem de água radioativa da central, informou neste domingo, 19, a emissora pública "NHK'.

 

O sistema, para descontaminar mais de 110 mil toneladas de água radioativa acumuladas na usina, foi paralisado no sábado, 18. A paralisação ocorreu porque um de seus componentes atingiu o nível máximo de césio radioativo que poderia absorver.

 

O dispositivo precisa ser substituído e, em função do ocorrido, a Tepco deve reconsiderar o funcionamento de todo o sistema, acrescentou a "NHK".

 

A atual preocupação é que, se o problema não for solucionado em breve, a água radioativa possa vazar ao exterior no prazo de uma semana, segundo o canal.

 

Por outro lado, a Tepco planeja abrir na noite deste domingo as portas da unidade que abriga o reator 2 para liberar vapor que poderia conter partículas com baixa radioatividade, informou a agência local "Kyodo".

 

O objetivo é reduzir a umidade para algo ao redor de 99%, permitindo que os técnicos possam acessar o local, segundo fontes da Tepco citadas pela "Kyodo". De acordo com as informações, a operação não terá impacto no meio ambiente.

 

A abertura das comportas será realizada de maneira gradual em uma operação que poderá durar até oito horas, para evitar o movimento do pó que contém material tóxico.

 

Depois da ventilação, a Tepco injetará nitrogênio no reator para prevenir uma eventual explosão de hidrogênio e poder ajustar os equipamentos de medição.

 

A operadora de Fukushima Daiichi espera resfriar os reatores em janeiro de 2012 e encerrar a pior crise nuclear desde Chernobyl em 1986, alavancada pelo terremoto e tsunami que atingiram o nordeste do país em 11 de março.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.