REUTERS/Marcos Brindicci
REUTERS/Marcos Brindicci

Coalizão de Massa, terceira maior força em Buenos Aires, promete 'oposição séria'

A 1País, liderada pelo peronista Sergio Massa e pela legisladora de centro esquerda Margarita Stolbizer, disse que trabalhará para ser uma oposição com 'capacidade de pôr limites', mas também de 'reconhecer boas decisões' do governo

O Estado de S.Paulo

23 Outubro 2017 | 11h47

BUENOS AIRES - O peronista Sergio Massa, candidato ao Senado argentino pela frente 1País, reconheceu no domingo sua derrota na Província de Buenos Aires ao ficar em terceiro lugar nas eleições legislativas, e prometeu que fará na Argentina "uma oposição séria e responsável".

Quem é quem nas eleições legislativas da Argentina

Massa assegurou, durante um ato político no município de Tigre que o 1País - que recebeu 11,32% dos votos - vai trabalhar para "dar à Argentina uma oposição séria, responsável, que tenha capacidade de pôr limites, de controlar, mas também que tenha capacidade de reconhecer quando se toma uma boa decisão".

Segundo a apuração de 99,22% dos votos, na província de Buenos Aires - que concentra 37% do censo eleitoral - a lista de candidatos ao Senado encabeçada pelo ex-ministro de Educação Esteban Bullrich é a que teve mais apoios, com 41,38% dos votos, seguida pela da frente Unidad Ciudadana, liderada pela ex-presidente Cristina Kirchner, com 37,25% dos votos.

"Vamos ser fieis guardiães da defesa dos nossos aposentados, dos nossos trabalhadores, da nossa classe média. (...) Vamos ser fiéis guardiães da construção de uma pátria com equilíbrio, com justiça com igualdade e sobretudo igualdade de oportunidades", assegurou o líder peronista.

Massa, candidato ao Senado pela coalizão 1País e também ex-chefe de Gabinete de Ministros do Governo de Cristina, lamentou durante o seu discurso a morte do jovem Santiago Maldonado, um artesão que desapareceu no dia 1 de agosto em uma passeata em Chubut, no sul do país.

A coalizão 1País, liderada por Massa e pela legisladora de centro esquerda Margarita Stolbizer, encerrou seu ato com uma mensagem que posicionava suas expectativas para as próximas eleições presidenciais.

"Aqui há uma equipe preparada para começar a caminhar em rumo para 2019", concluiu Massa. / EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.