Termina o julgamento da esposa de político chinês

O julgamento de Gu Kailai, esposa do político chinês Bo Xilai, e seu empregado doméstico, Zhang Xiaojun, acusados de assassinar o empresário britânico Neil Heywood, terminou nesta quinta-feira em um tribunal na cidade de Heifei, e durou menos de um dia. Os réus não contestaram as acusações da promotoria. Um veredicto que os considera culpados está praticamente assegurado e pode levar à sentença de morte.

AE, Agência Estado

09 de agosto de 2012 | 10h29

Bo, o marido da acusada, era um dos mais poderosos e carismáticos políticos da China até cair em desgraça e ser expulso quando o escândalo foi revelado. Observadores afirmam que o principal objetivo do partido é manter o foco estritamente no casso de assassinato e não chegar até as alegações de corrupção que podem manchar a imagem do regime.

A imprensa internacional não pôde entrar no tribunal, por isso os detalhes do caso foram dados pelo vice-diretor da corte, Tang Yigan.

Gu e Heywood eram sócios mas tiveram uma desavença acerca de interesses econômicos. A acusada começou a enxergar Heywood como uma ameaça para seu filho, Bo Guagua, de 24 anos, e decidiu matá-lo, disse Tang, que não especificou que tipo de perigo o britânico representava.

Na noite de 13 de novembro de 2011, Gu foi até o hotel de Heywood e ingeriu bebida alcoólica e chá com ele. "Quando Heywood estava bêbado, ele vomitou e pediu água. Ela então pegou o veneno que havia mandado Zhang carregar e colocou na boca de Heywood, matando-o", afirmou Tang, citando os promotores.

O rápido julgamento contrasta com os geralmente longos processos que acontecem no Ocidente. Essa rapidez é comum na China, onde às vezes o veredicto de perna de morte pode ser dado no mesmo dia do julgamento.

Gu e Zhang provavelmente serão declarados culpados de homicídio doloso, que pode levar a penas de 10 anos de prisão até prisão perpétua e pena de morte.

O escândalo chamou atenção para as disputas políticas que a China prefere manter secretas. O país atualmente prepara-se para o 18º congresso do Partido Comunista, quando será realizada a transição política que acontece uma vez a cada dez anos.

Bo, filho de um revolucionário veterano, era considerado um candidato aos principais cargos. Mas suas manobras para alcançar o alto escalão do Partido Comunista irritaram alguns líderes. Também causaram polêmica no partido suas campanhas bombásticas contra o crime organizado e a promoção da cultura comunista ao mesmo tempo que atropelava liberdades civis. As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
ChinajulgamentoBo Xilai

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.