Terminada a apuração, Calderón é o novo presidente mexicano

LF: Com 100% das urnas apuradas, o candidato do governista Partido de Ação Nacional obteve a vitória com apenas 236 mil votos a mais do que o esquerdista López ObradorO candidato governista Felipe Calderón ficou em primeiro lugar na contagem oficial dos votos das eleições presidenciais do México, com 0,57 ponto porcentual de vantagem frente a seu rival de esquerda, Andrés Manuel López Obrador. Com 100% das urnas apuradas, o Instituto Federal Eleitoral (IFE) informou que Calderón obteve 35,88% dos votos, enquanto López Obrador ficou com 35,31%. O candidato da oposição não aceitou o resultado, e anunciou que contestará a contagem na corte eleitoral do país. López Obrador disse que a pequena margem de diferença entre os dois candidatos indica que houve fraude na eleição. Ele também convocou seus partidários a participarem de uma demonstração de força na praça central da Cidade do México no próximo sábado.Já nesta quinta-feira, partidários do candidato esquerdista, que prometeu governar para os pobres do México, saíram às ruas alegando que não deixariam seu líder ter a vitória roubada.Enquanto isso, Calderón já iniciava as aproximações com outros partidos para construir um "governo de unidade".Com o total de mais de 41 milhões votos contados, Calderón, do Partido de Ação Nacional - o mesmo do presidente Vincent Fox - obteve 14.981.268 votos, enquanto López Obrador, do Partido Revolucionário Democrático, aparecia com 14.745.262 sufrágios. Apenas 236.006 votos separam os dois candidatos.Com o término da contagem e as reclamações de López Obrador, o desafio agora será levado para a principal corte eleitoral do país, que avaliará o pedido do candidato esquerdista para que uma contagem voto a voto seja realizada. Segundo a legislação eleitoral mexicana, o resultado deve ser anunciado até o dia 6 de setembro. O próximo mandato, que durará seis anos, começa no dia 1º de dezembro.A notícia de que Calderón levaria o pleito fez com que o mercado de ações mexicano fechasse em alta de 2,7%.Futuro difícilAinda assim, o futuro de Calderón permanecesse repleto de obstáculos. Caso seu triunfo seja mantido pela corte eleitoral, o candidato panista enfrentará um congresso dominado pelos partidos de oposição, assim como uma nação dividida. Além disso, Calderón terá que ampliar o crescimento econômico do país se quiser estancar o forte fluxo migratório de mexicanos para os Estados Unidos.Para vencer esses desafios e criar mais empregos, Calderón aposta nos acordos de livre-comércio mexicanos. Ele também prometeu acabar com a criminalidade e diz que tentará estreitar os laços com os EUA sem deixar que Washington domine as relações entre os dois países."Quero estabelecer uma relação construtiva sem abaixar minha cabeça para os americanos", disse Calderón em inglês impecável durante uma entrevista à Associated Press.ContestaçãoEsperançoso de que irá conseguir reverter o resultado, López Obrador disse que contestará as eleições de domingo e exigirá que o Tribunal Eleitoral da Federação faça uma recontagem "voto a voto" do resultado."Decidimos contestar o processo eleitoral e recorrer ao Tribunal para uma apuração dos votos, porque não podemos aceitar os resultados fornecidos pelo Instituto Federal Eleitoral (IFE)", disse López Obrador, referindo-se à pequena vantagem do candidato panista."Nós triunfamos nas eleições de domingo, por isso iremos à Justiça", acrescentou, ratificando a denúncia do PRD de que houve muitas irregularidades durante a votação."Virada"López Obrador liderou a contagem oficial até a inversão do resultado com 97% dos votos apurados. Assim que a contagem passou a favorecer Calderón, nas primeiras horas da manhã desta quinta-feira, o candidato panista pediu que o país superasse a disputa. "A partir de hoje, vamos ajudar o México a começar uma nova era de paz e reconciliação", disse Calderón a centenas de seguidores que se reuniram na frente do diretório do partido.Segundo Calderón, a eleição de domingo foi a "mais democrática e limpa da história do México". Ele também pediu ao rival López Obrador e a todos os mexicanos que ignorem as divisões que surgiram ao longo da campanha para focar "não em nossas diferenças, mas nas nossas similaridades".Calderón voltou-se também aos milhões que não votaram nele, pedindo que o "dêem uma chance para ganhar sua confiança".Texto atualizado às 21h19

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.