Terminam as eleições regionais de Nova Délhi

Um dos lugares do Parlamento não teve eleito devido a suicídio de candidato

EFE

29 de novembro de 2008 | 14h08

As votações para eleger um novo Parlamento regional terminaram neste sábado, 29, em Nova Délhi, onde mais de 10 milhões de pessoas foram chamadas às urnas em uma convocação marcada pelos atentados em Mumbai. Em algumas áreas ocorreram pequenos episódios de violência, embora na maior parte dos locais, a votação transcorreu em completa calma, segundo a Comissão Eleitoral. A Assembléia de Nova Délhi tem 70 lugares, mas os eleitores só elegeram 69, porque na zona eleitoral de Rajinder Nagar, no centro-oeste, a votação foi suspendida devido ao suicídio de um candidato. Os principais candidatos são o Partido do Congresso, que tem governado a cidade desde o ano de 1998 e aspira renovar seu mandato, e a formação radical hindu Bharatia Janata Party, liderada pelo veterano Vijay Kumar Melhotra. A chefe do governo regional, Sheila Dikshit, depositou seu voto meia hora depois da abertura das urnas, às quais também compareceu na primeira hora Priyanha Vadra, filha da líder do Partido do Congresso, Sonia Gandhi. Mais de 10,5 milhões de eleitores foram chamados às urnas da cidade, onde se mobilizaram neste sábado quase 52 mil agentes de segurança encarregados de proteger os 10.993 colégios. As eleições aparecem marcadas pelos ataques brutais a Mumbai, nos quais morreram oficialmente 183 pessoas. "Estive atento à TV desde que me levantei, vendo os detalhes do ataque terrorista. Só decidi votar quando a operação terminou", disse a eleitora Sangita Singh a uma emissora local. Os comandos indianos acabaram neste sábado com o último foco terrorista no interior do hotel Taj, de Mumbai, com o que puseram fim aos ataques que começaram na última quarta, 26, à noite.

Tudo o que sabemos sobre:
eleiçõesNova Délhi

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.