Terminam pacificamente as eleições presidenciais do Timor

Os colégios eleitorais fecharam suas portas nesta segunda-feira, 9, no Timor Leste, após uma jornada que transcorreu em aparente calma e na qual milhares de timorenses compareceram às urnas para escolher seu novo presidente, o segundo desde que, em 2002, o território alcançou a independência.Um total de 504 centros estabelecidos para o pleito concluiu seus trabalhos às 16h (4h, em Brasília) e recebeu cerca de 500 mil pessoas convocadas para escolher o novo presidente durante os próximos cinco anos.As nove horas de atividade eleitoral foram supervisionadas por cerca de dois mil observadores nacionais e 200 internacionais, liderados pela União Européia.Fontes da Polícia das Nações Unidas (UNPOL) indicaram aos jornalistas que durante a jornada não foram registrados incidentes violentos nem em Díli, a capital, nem nos distritos do interior visitados por essa força.Além disso, acrescentaram que houve uma grande participação dos eleitores ao longo do país.Desde o começo da manhã, os eleitores foram aos colégios eleitorais de Díli, a capital, onde também votou José Ramos Horta, o atual primeiro-ministro e um dos candidatos com mais possibilidades de chegar à Presidência.Os demais candidatos também escolheram votar na parte da manhã, entre eles o outro grande favorito, Francisco Guterres, presidente da Frente Revolucionária do Timor-Leste (Fretilin), com maioria no Parlamento.Os seis candidatos restantes são Fernando "Lasama" de Araujo, do Partido Democrático; Francisco Xavier do Amaral, da Associação Social Democrática Timorense; Lucia Lobato, do Partido Social Democrático; João Carrascalao, da União Democrática Timorense; Avelino Coelho da Silva, do Partido Socialista Timorense, e Manuel Tilman, da União dos Filhos Heróis das Montanhas de Timor.Caso nenhum dos oito candidatos alcance mais de 50% dos votos válidos emitidos, será realizado um segundo turno entre os dois mais votados dentro de 30 dias.A Comissão Eleitoral Nacional deve anunciar o resultado oficial no final desta semana, mas ainda não há uma data estabelecida.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.