Terra de Mandela prepara despedida para líder

Após três dias de velório do qual participaram dezenas de milhares de admiradores em Pretória, o corpo do líder negro e ex-presidente da África do Sul, Nelson Mandela, será transportado hoje para Qunu, vilarejo a 800 quilômetros da capital, onde ele viveu a maior parte de sua infância. Lá, apenas a família e convidados poderão comparecer à cerimônia de sepultamento, que será parcialmente transmitida pela TV, sem a presença de jornalistas.

ANDREI NETTO, ENVIADO ESPECIAL, QUNU, ÁFRICA DO SUL, O Estado de S.Paulo

14 de dezembro de 2013 | 02h02

O funeral de Mandela estava sendo preparado ontem, em Qunu, com o auxílio de um forte esquema de segurança montado pela polícia e pelas Forças Armadas. Nas estradas da região, várias barreiras foram impostas, impedindo pessoas não autorizadas de se aproximar da área em que será realizada a cerimônia no domingo. Helicópteros patrulhavam toda a região. O objetivo do governo sul-africano é garantir a segurança dos líderes políticos que participarão do sepultamento - caso do príncipe Charles, da Grã-Bretanha, por exemplo -, e assegurar a privacidade do evento.

Ontem, o porta-voz do governo sul-africano confirmou que, a pedido da família, o funeral de Mandela será restrito aos convidados. "A família deseja que o sepultamento seja um assunto da família. Ela não quer televisionamento", explicou Phumia Williams.

Para os não convidados, a última oportunidade de prestar homenagem a Mandela será sair às ruas hoje para acompanhar o cortejo fúnebre, que ocorrerá ou na cidade de East London, ou na de Mthatha, as duas vizinhas de Qunu. A definição se dará de acordo com as condições climáticas, que indicarão para qual aeroporto o corpo será transportado. No domingo, o funeral ocorrerá entre 8 e 10 horas, numa área privada de uma das propriedades de Mandela, construída após seus 27 anos de cárcere. Essas homenagens serão acompanhadas por mais de 5 mil convidados e transmitidas pela TV. "A partir das 10 horas, ocorrerá o enterro propriamente dito. Só a família poderá assistir, além de algumas raras personalidades", disse Williams. De acordo com o porta-voz, nenhum dos mais de 3 mil jornalistas que já estão na região poderá participar da homenagem ou testemunhar o sepultamento.

Em Qunu, a atmosfera é de introspecção e despedida, mas também de orgulho. Moradores ouvidos pelo Estado ontem se mostravam divididos entre saudar a trajetória de vida de Mandela e lamentar sua morte, mas sempre se mostraram honrados de receber o corpo do ex-presidente. "O final de semana será mais um momento para refletir sobre sua vida e para chorar a sua perda", afirmou Guida Swa, de 27 anos. Para a estudante Zozibini Ngqeleni, de 23 anos, o pedido de Mandela para que fosse enterrado em sua tribo é mais um sinal de humildade que o líder negro cultivava. "Madiba foi um grande homem e um líder que lutou pela nossa liberdade", disse. "Estou feliz por ter nascido e viver na terra do mito Nelson Mandela."

Ontem, o último dia de velório em Pretória terminou em confusão. Sem dar conta da demanda, os organizadores do evento fecharam os portões de acesso. Houve tumulto entre a polícia e os sul-africanos que desejavam prestar um último sinal de respeito ao líder.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.