Terremoto causa pânico e deixa 103 feridos no Japão

Estradas sofrem rachaduras e serviço do trem-bala é suspenso, assim como as operações em usina nuclear

AFP, Reuters e Efe, TÓQUIO, O Estadao de S.Paulo

12 de agosto de 2009 | 00h00

Um forte terremoto atingiu ontem pela manhã (às 5h07 locais) a capital do Japão, Tóquio, e áreas próximas, provocando a interrupção dos transportes e o fechamento temporário de uma usina nuclear por questões de segurança. Pelo menos 103 pessoas ficaram levemente feridas.O tremor de 6,5 graus na escala Richter ocorreu a 23 quilômetros de profundidade na Bahia de Suruga, na região de Tokai, na Província de Shizuoka. Imagens de TV mostravam mercadorias que haviam caído das prateleiras dos mercados, estradas com o asfalto rachado, muros destruídos, casas com rachaduras, e um templo sem algumas telhas entre a chuva que tem caído com força durante a semana.O terremoto provocou a breve suspensão do serviço dos trens de alta velocidade, Shinkansen. A rodovia Tomei, que liga Tóquio a Nagoya, foi fechada por causa de um deslizamento de terra. Também ocorreram quatro incêndios na cidade de Shizuoka. A companhia Chubu Eletric Power interrompeu automaticamente suas operações na usina nuclear de Hamaoka, deixando mais de 9 mil casas temporariamente sem eletricidade. Em Omaezaki, o tremor também provocou interrupção no fornecimento de água por causa do rompimento de tubulações."Eu estava dormindo e houve um forte tremor, então pulei da cama", disse Rieko Yoshizaki, de 57 anos, moradora de Hammatsu, na Província de Shizuoka. "Me assustei, então abracei meu cachorro."O primeiro-ministro japonês, Taro Aso, criou uma equipe de trabalho para obter informações sobre o terremoto, que foi sentido nas províncias das quais o tufão Etau se aproxima. Durante sua passagem pelo oeste do Japão, o tufão deixou pelo menos 13 mortos e 17 desaparecidos nas Províncias de Hyogo e Okayama.A Agência Meteorológica do Japão alertou ontem a população sobre possíveis inundações e a ameaça de deslizamentos.No Japão, que tem 127 milhões de habitantes e a maior densidade demográfica do mundo, os edifícios são construídos para suportar intensos terremotos. O país, que se encontra sobre várias falhas geológicas, é frequentemente abalado por sismos. O terremoto mais grave em anos recentes no Japão ocorreu em Kobe (oeste) em 17 de janeiro de 1995. Ele teve uma magnitude de 7,3 graus e deixou mais de 6 mil mortos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.