Terremoto causa prejuízo de US$ 6 bi em setor agrícola chinês

O terremoto que atingiu a província deSichuan, na China, em maio causou 6 bilhões de dólares em danosà agricultura da região, informou a Organização das NaçõesUnidas para Agricultura e Alimentação (FAO), na segunda-feira. Mais de 30 milhões de pessoas em comunidades ruraisperderam suas propriedades, milhares de hectares de fazendasforam destruídos e milhões de animais morreram com o terremoto,disse a FAO em um comunicado, depois de uma recente missão emSichuan. "Além da tragédia humana causada pelo desastre... Muitascomunidades rurais na província de Sichuan perderam seus meiosde produzir comida e gerar renda", disse Rajendra Aryal,coordenador-chefe regional de Emergências da FAO, em umcomunicado. "Provavelmente, vai levar de três a cinco anos parareconstruir o setor agrícola em Sichuan", disse Aryal. O terremoto, ocorrido em maio, matou quase 70 mil pessoas emilhares de outras ainda estão desaparecidas, provavelmentemortas. A FAO disse que parte significativa do trigo não poderá sercolhida depois do terremoto porque muitos fazendeiros estãomortos ou feridos. A maior parte do trigo colhido antes doterremoto foi perdida devido aos danos causados às estruturasdos armazéns. Mais de 20 mil hectares de áreas de plantio em Sichuan, queproduz até 20 por cento do arroz chinês, foram duramenteatingidos pelo tremor. A próxima colheita pode decair de 10 a50 por cento devido ao atraso no plantio, às pestes e àdeficiência de água, informou a agência baseada em Roma. A FAO estima que as perdas no setor pecuarista somem 2bilhões de dólares. Mais de 3 milhões de porcos morreram noterremoto. A falta de pesticidas e fertilizantes poderá afetar aprodução futura, disse a FAO. "A provisão de fertilizantes, pesticidas, equipamentos emaquinaria e animais, além da melhora dos campos danificados,serão os maiores desafios nos próximos seis meses", disseAryal. A China pediu à FAO que coordene o reestabelecimento dosetor agrícola na província de Sichuan, segundo a agência. (Reportagem de Svetlana Kovalyova)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.