Terremoto de 6,3 mata 367 pessoas na China

Ao menos 200 pessoas estão desaparecidas e 1,8 mil feridas em razão do tremor; 12 mil casas foram derrubadas pelo tremor

O Estado de S. Paulo

03 de agosto de 2014 | 09h47

Atualizada às 17h23

PEQUIM - Um forte terremoto, de magnitude 6,3 na escala Richter, atingiu neste domingo, 3, uma região remota da província de Yunnan, no sudoeste da China, e deixou 367  mortos, 200 desaparecidos e mais de 1,8 mil feridos.

O terremoto, o pior que já atingiu Yunnan em 14 anos, aconteceu às 16h30 (hora local), com epicentro na região de Ludian, um território que tem 439 mil habitantes e pertence à cidade de Zhaotong.

O tremor foi sentido em outras regiões, como as cidades de Kunming, a capital da província, Chongqing, Leshan e Chengdu, na província vizinha de Sichuan, segundo os meios de comunicação locais. 

Cento e vinte e duas pessoas morreram na região do epicentro, 181 estão desaparecidas e 1,3 mil se feriram na mesma localidade. Outras 53 pessoas morreram na localidade vizinha de Qiaojia e Huize.

Segundo dados das autoridades, mais de 12 mil casas foram derrubadas pelo tremor e cerca de 30 mil ficaram danificadas, especialmente as de construção antiga.Na região de Ludian, os serviços de comunicações e eletricidade foram cortados. 

O estudante universitário, Mao Hao, que trabalha como voluntário nas tarefas de resgate na região do epicentro, disse que viu vários corpos enterrados debaixo dos escombros e ajudou cerca de 40 pessoas a saírem de suas casas destruídas. 

"Sinceramente, é uma pena não termos tempo de nos ocupar com os corpos. Precisamos nos concentrar nas pessoas com vida", disse o jovem.

Uma moradora de Ludian disse que a maioria das pessoas saiu de suas casas correndo em direção à rua. Outra testemunha conta que sentiu como se "navegasse em um barco" quando conduzia seu carro durante o tremor. 

O terremoto aconteceu poucas horas depois que outro, de 5 graus na escala Richter, afetou a região ocidental do Tibet, sem que, neste caso, tenha causado vítimas. /COM AGÊNCIAS INTERNACIONAIS

Tudo o que sabemos sobre:
CHINATERREMOTO

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.