AP
AP

Terremoto mais forte desde 1980 causa danos na Itália

Diversos edifícios foram destruídos, entre eles a Basílica de San Benedetto; premiê promete reconstrução

O Estado de S. Paulo

30 de outubro de 2016 | 06h36
Atualizado 30 de outubro de 2016 | 18h06

ROMA - Um forte terremoto de 6,6 graus de magnitude atingiu neste domingo, 30, o centro da Itália, provocando novas destruições, como a da Basílica San Benedetto de Norcia, mas sem deixar mortos, segundo a Defesa Civil. As regiões afetadas foram as mesmas que sofreram com repetidos tremores nos últimos dois meses. Segundo o Instituto americano de geologia (USGS), o tremor ocorreu às 7h40 (4h40 de Brasília).

“Há dezenas de feridos sem gravidade”, afirmou o chefe da Defesa Civil Fabrizio Curcio em Rieti, cidade próxima da área do epicentro em Umbria. Segundo a imprensa local, o terremoto foi o mais forte no país desde 1980, quando três mil pessoas morreram. O tremor de Áquila, que matou mais de 300 em 2009, teve magnitude 6,3.

Em Norcia, imagens da televisão mostraram os habitantes reunidos em uma praça, enrolados em cobertores. Vários prédios, entre eles a Basílica de San Benedetto, construída no século 14 e parcialmente destruída, foram destruídos. “Isso é uma tragédia. A basílica está devastada”, disse à Reuters o bispo Renato Boccardo, de Norcia.

O centro da Itália foi afetado por vários tremores desde o final de agosto, ocasião em que 300 pessoas morreram. Os dois terremotos do dia 26 deste mês causaram apenas danos materiais.

“É uma verdadeira tragédia. O dano é incalculável”, disse à emissora RaiNews 24 Giuseppe Pezzanesi, prefeito de Tolentino. “Há milhares de pessoas nas ruas, aterrorizadas, chorando”, acrescentou.

O terremoto causou deslizamentos de terra e muitas estradas da região foram cortadas e foi sentido em grande parte da península, incluindo Florença e Nápoles. Em Roma, as autoridades fecharam o metrô da cidade para realizar verificações e centenas de pessoas saíram às ruas como medida de precaução.

Especialistas também verificaram as principais basílicas romanas, entre elas a de São Pedro, no Vaticano.

O tremor foi mais forte que o de 24 de agosto, mas como muitas pessoas haviam deixado a região desde então este tremor não causou mortes.

O departamento de defesa civil da Itália, que coordena o serviço de auxílio para desastres, disse que várias casas foram destruídas nas regiões de Úmbria e Marcas, mas foram esvaziadas no momento do tremor.

Mensagens. O papa Francisco lamentou a tragédia. “Expresso minha proximidade às populações do centro da Itália afetadas pelo terremoto”, afirmou o pontífice após reza na Praça de São Pedro. Francisco orou “pelos feridos e pelas famílias que sofreram os maiores danos”, e “pelas pessoas envolvidas nos trabalhos de socorro e assistência” aos afetados, explicou.

O primeiro-ministro italiano, Matteo Renzi, prometeu que o governo reconstruirá todos os edifícios e estruturas destruídos pelos terremotos dos últimos dias. “Nós reconstruiremos tudo. As casas, as igrejas e os comércios”, disse o premiê em Roma. O líder convocará na segunda-feira um Conselho de Ministros extraordinário para tomar as primeiras medidas sobre a situação. /AFP, EFE e REUTERS

Mais conteúdo sobre:
ItáliaTerremoto

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.