Terremoto de 6,7 graus atinge região de fronteira da China

Tremor ocorreu na fronteira entre China, Rússia e Coreia do Norte; epicentro ocorreu a 110 km de Vladivostok

Efe

18 de fevereiro de 2010 | 04h16

Um forte terremoto de 6,7 graus na escala Richter estremeceu no final da noite desta quarta-feira, 17, uma região da fronteira entre China, Rússia e Coreia do Norte, informou o Instituto Geológico dos Estados Unidos (USGS, na sigla em inglês).

 

Os sismógrafos da USGS detectaram o sismo às 23h13, de Brasília. Seu epicentro estava a 562 quilômetros de profundidade, a 110 quilômetro de Chongjin, na Coreia do Norte, e a 110 quilômetros a sudoeste de Vladivostok, na Rússia.

 

Até o momento não foram registradas vítimas chinesas no terremoto, informou hoje a agência oficial Xinhua.

 

O terremoto teve epicentro em território russo, a poucos quilômetros da China e Coreia do Norte, com profundidade entre 540 e 560 quilômetros.

A China sofre com terremotos frequentemente. A maior parte dos abalos acontece na região sudoeste do país, em torno do Himalaia, zona de grande atividade sísmica pelo atrito das placas tectônicas asiática e indiana.

 

Embora o nordeste da China (local do movimento desta quinta) não seja palco de muitos terremotos, o maior registrado no mundo no século XX, em 1976, aconteceu na região, na cidade de Tangshan, onde morreram pelo menos 240 mil pessoas em consequência de um tremor de 7,8 graus.

O pior terremoto sofrido pelo país asiático em anos recentes, com 8 graus, aconteceu em 12 de maiode 2008, na província de Sichuan (sudoeste), causando cerca de 90 mortes e desaparecimentos.

Tudo o que sabemos sobre:
terremotoChinaRússiaCoreia do Norte

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.