Terremoto de 7,4 graus atinge Caribe

Tremor causa pânico em várias ilhas e deixa feridos na Martinica

Fort-De-France, Martinica, O Estadao de S.Paulo

30 de novembro de 2007 | 00h00

Um terremoto de 7,4 graus na escala Richter atingiu ontem o leste do Caribe, perto da costa noroeste da Martinica. Apesar da profundidade de 145 quilômetros, o tremor causou pânico em várias ilhas e foi sentido até na Venezuela, onde alguns escritórios tiveram de ser esvaziados, e no Suriname. O Centro de Alerta de Tsunami para o Pacífico, no Havaí, nos EUA, descartou a possibilidade de um tsunami na região.Em Fort-de-France, na Martinica, uma loja e o teto de um banco desabaram. Autoridades locais disseram que a polícia e os bombeiros receberam centenas de ligações de moradores pedindo ajuda, mas apesar do pânico, não havia informações sobre mortos. A maioria dos feridos apresentava apenas ferimentos leves."Minha casa tremeu tanto que achei que fosse desabar. As janelas, a porta, tudo tremia", afirmou uma moradora da cidade à Radio Martinique. Na Ilha de Trinidad, centenas de pessoas saíram em pânico de suas casas e escritórios. As autoridades locais, no entanto, não deram informações sobre danos ou vítimas. Havia o temor de que o terremoto afetasse a produção de petróleo na refinaria estatal Petrotrin, que produz 160 mil barris de gasolina, diesel e petróleo por dia. Em Castries, na Ilha de Santa Lúcia, o tremor danificou tubulações de água e esgoto, segundo informou Julian Dubois, vice-diretor do centro de emergências nacionais.A moradora Annie Ellis, de 100 anos, afirmou que o terremoto foi o mais forte pelo qual ela já passou. "Em toda a minha vida, nunca tinha sentido um tremor tão forte, que tivesse durado tanto tempo", contou Annie. Em St. Maarten, os vôos foram suspensos no aeroporto internacional Princesa Juliana. Na Guiana, o tremor obrigou os legisladores a deixar às pressas o Parlamento. ASSOCIATED PRESS, AFP E REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.