EFE/EPA/USGS
EFE/EPA/USGS

Alerta de tsunami cancelado após terremoto de magnitude 8,2 ser registrado na costa do Alasca

Até o momento não há registro de danos graves ou de feridos; o Estado está localizado no Círculo de Fogo do Pacífico, uma zona com frequente atividade sísmica e choque de placas tectônicas

Redação, O Estado de S.Paulo

29 de julho de 2021 | 07h08
Atualizado 29 de julho de 2021 | 14h21

Um terremoto de 8,2 graus de magnitude foi registrado durante a madrugada desta quinta-feira, 29, na costa da península do Alasca, segundo informou o Centro Geológico dos Estados Unidos (USGS). Um alerta de tsunami chegou a ser ativado pelo órgão, mas foi cancelado horas depois.

O tremor, considerado alto, aconteceu 91 km ao sudeste do município de Perryville, segundo o USGS. O Centro Nacional de Alerta de Tsunami dos EUA aconselhou os habitantes locais a ficarem vigilantes e alertou que "correntes fortes e incomuns podem continuar pelas próximas horas".

Os cientistas dizem que, em média, um terremoto de magnitude 8 ou superior ocorre apenas uma vez por ano em qualquer lugar do mundo. Perryville é uma pequena localidade situada a 800 km de Anchorage, a maior cidade do Alasca.

Antes do cancelamento do alerta de tsunami, o sistema americano de monitoramento advertiu que seria possível a ocorrência de “ondas perigosas”. Duas horas depois, atualizou sua previsão e afirmou que as eventuais ondas não passariam de 30 centímetros. 

Em Kodiak, uma ilha situada frente à costa do Alasca e habitada por cerca de 6 mil pessoas, também foram ativados os alertas de tsunami. Segundo a rádio local KMXT, nada aconteceu.

Em vídeos publicados nas redes sociais por jornalistas e moradores da região, moradores de Kodiak aparecem afastando-se de carro da costa, com o som de sirenes ao fundo.

Também foi ativado alerta de tsunami para o Havaí, e as autoridades locais pediram aos moradores que se mantivessem afastados da praia. Duas horas mais tarde, o alerta foi desativado. Nos 90 minutos posteriores ao terremoto foram registrados cinco tremores, o maior deles com magnitude de 6,2, segundo o USGS. 

Em outubro do ano passado, um tremor de 7,5 graus provocou ondas de tsunami na costa sul do Alasca, mas sem registro de danos. O Alasca fica no Círculo de Fogo do Pacífico, uma zona com frequente atividade sísmica e choque de placas tectônicas.

Em março de 1964, a região foi afetada por um terremoto de 9,2 graus, o mais forte já registrado na América do Norte. O tremor devastou Anchorage e provocou um tsunami que atingiu o Golfo do Alasca, a costa oeste dos Estados Unidos e o Havaí.  Mais de 250 pessoas morreram em consequência do terremoto e tsunami. / AFP e Washington Post

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.