AP
AP

Terremoto de magnitude 6,4 provoca morte e destruição na Croácia

Segundo o Serviço Geológico dos Estados Unidos (USGS), o forte sismo foi registrado na cidade de Petrinja, no centro do país, com profundidade de 10 km, e deixou ao menos seis mortos

Redação, O Estado de S.Paulo

29 de dezembro de 2020 | 11h44
Atualizado 29 de dezembro de 2020 | 17h16

ZAGREB - Pelo menos seis pessoas, entre elas uma menina, morreram nesta terça-feira, 29, devido a um violento terremoto registrado na região central da Croácia por volta do meio-dia (horário local, 8h de Brasília), e equipes de resgate tentam encontrar sobreviventes entre os escombros.

"É com tristeza que relatamos as mortes: uma menina em (a cidade de) Petrinja e cinco homens em (o povoado de) Majske Poljane", informou o Ministério do Interior do país no Twitter. O terremoto de magnitude 6,4 também deixou vários feridos e destruiu casas e prédios, segundo autoridades. 

Segundo o Serviço Geológico dos Estados Unidos (USGS), o forte sismo foi registrado na cidade de Petrinja, no centro do país. Com profundidade de 10 km, o tremor aconteceu em torno das 11h30 GMT (8h30 no horário de Brasília). 

Segundo o Centro Sismológico Euromediterrâneo, o sismo seria de magnitude 6,2 e foi sentido com força também na capital do país, Zagreb, onde moradores assustados saíram às ruas. "Há pânico geral, as pessoas estão procurando seus entes queridos", disse o prefeito de Petrinja, Darinko Dumbovic, à televisão regional N1.

Imagens da cidade, de cerca de 20 mil habitantes, mostravam o colapso de telhados e ruas com escombros. Socorristas e o Exército foram mobilizados para buscar pessoas presas sob os escombros dos edifícios afetados. 

"Tenho medo, não posso falar com ninguém em casa, porque as linhas telefônicas estão mudas", disse uma mulher de Petrinja à N1.

A eletricidade foi cortada em Petrinja e, após o pôr do sol, o centro da cidade ficou no escuro. Na praça principal, vários edifícios foram completamente destruídos. 

O tremor se deu um dia após um sismo de menor magnitude em Petrinja causar danos em edifícios. Em março, um terremoto de magnitude de 5,3 sacudiu a capital croata, provocando importantes destroços materiais. Os Bálcãs são uma zona de forte atividade sísmica, e esses fenômenos são frequentes.

Central nuclear fechada na Eslovênia

A planta nuclear eslovena de Krsko foi fechada de forma preventiva, informou uma porta-voz desta central atômica. Segundo a agência de notícias STA, trata-se de um "procedimento normal em caso de fortes terremotos".

O terremoto foi sentido na capital, Liubliana, assim como em vários países da região, especialmente na Hungria e na Áustria, relataram testemunhas em depoimentos aos jornais.

Seu epicentro se situou a cerca de 50 km ao norte da capital croata, Zagreb, próximo da localidade de Petrinja.

Construído na época iugoslava e em funcionamento desde 1983, o reator do tipo Westinghouse de Krsko, de 700 megawatts de potência, é o único da Eslovênia. O país compartilha este sítio nuclear com a Croácia.

Chegou-se a programar o encerramento de sua atividade para 2023, após 40 anos de funcionamento. Em 2015, porém, Liubliana e Zagreb decidiram prolongar sua atividade por mais 20 anos, apesar dos protestos de várias ONGs.

A central cobre em torno de 20% das necessidades elétricas da Eslovênia, e 15%, no caso da Croácia./AFP e REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.