Terremoto de magnitude 6,8 matou pelo menos 73 em Mianmar

Rádio estatal diz que pelo menos 111 ficaram feridos com tremor, que foi sentido na Tailândia.

BBC Brasil, BBC

25 de março de 2011 | 09h33

Após tremor, estrada fica destruída na cidade de Tarlay, em Mianmar

O terremoto de magnitude 6,8 atingiu que Mianmar na quinta-feira deixou pelo menos 73 mortos, segundo informou nesta sexta-feira a rádio estatal do país. O tremor ocorreu próximo à fronteira com a Tailândia e com Laos.

De acordo com a agência geológica americana (USGS, sigla em inglês), o tremor de terra ocorreu às 20h25 des quinta-feira (10h55m em Brasília), e teve seu epicentro a cerca de 110km da cidade tailandesa de Chiang Rai.

A rádio estatal de Mianmar afirma que pelo menos 111 pessoas ficaram feridas. O tremor causar danos em 244 residências, 14 mosteiros budistas e nove prédios do governo.

O terremoto chegou a ser sentido na China e na Tailândia. Uma mulher morreu na cidade tailandesa de Mae Sai, mas poucos danos foram registrados nas demais localidades do país.

A cidade birmanesa de Tachileik, na fronteira com a Tailândia, sofreu o maior impacto do tremor de terra, além de vilarejos no Estado de Shan.

Rodovias e pontes de Mianmar foram destruídas, e muitos campos de arroz parecem ter ficado arruinados com a água e o lodo que saíram do solo.

Na cidade de Tarlay, pelo menos 15 casas foram destruídas, segundo informações do jornal estatal New Light of Myanmar.

A correspondente da BBC em Bangcoc Rachel Harvey afirma que Mianmar é despreparado para lidar com desastres naturais. Segundo ela, os sistemas de comunicação e a infraestrutura do país são frágeis.

Além disto, de acordo com Harvey, o governo militar birmanês tende a limitar a quantidade de informações que chega ao público. A repórter afirma que, devido a isto, o conhecimento do real tamanho da tragédia pode levar algum tempo.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.