Terremoto no Japão deixa 9 mortos e 860 feridos

Equipes de resgate buscavam sobreviventes entre escombros

O Estado de S. Paulo

15 Abril 2016 | 14h01

TÓQUIO - As equipes de socorro seguiam buscando nesta sexta-feira sobreviventes entre os escombros na cidade de Kumamoto, sudoeste do Japão, um dia depois do terremoto que deixou ao menos nove mortos e centenas de feridos.

Segundo o governo, o terremoto de 7,1 graus e os violentos tremores secundários registrados em Kumamoto, na Ilha de Kyushu, deixaram 9 mortos e 860 feridos, 53 em estado grave. 

As autoridades japonesas haviam alertado os moradores de áreas litorâneas sobre o risco de tsunami; mas horas depois o alerta foi cancelado.

“A casa toda tremeu”, disse à agência France Presse Noboyuki Morita, um morador de 67 anos da cidade de Mashiki. “Estávamos assistindo televisão quando de repente sentimos tremores muito fortes. Fiquei muito surpreso, nunca havia sentido um tremor assim na minha vida.”

Morita e sua mulher passaram a noite em um carro, pois o telhado desabara e os móveis saíram do lugar. O relógio, parado, marcava 21h26 (09h26 de Brasília), o horário do primeiro tremor.

No total, foram sentidos 123 tremores secundários, disse Gen Aoki, um sismólogo da agência japonesa de meteorologia. Dezenas de casas, muitas delas velhas e de madeira, ficaram total ou parcialmente destruídas. Cerca de 44 mil pessoas precisaram se refugiar em centros de acolhida, onde receberam arroz e água potável.

Uma menina de 8 meses foi resgatada viva dos escombros na cidade de Mashiki, indicou a TV NHK. Segundo os meios de comunicação japoneses, a menina não sofreu nenhum ferimento. Segundo o jornal Mainichi, os membros da família tentaram subir para salvar a menina, que estava no quarto dormindo, mas a casa desabou.

O governo declarou estado de catástrofe natural e enviou ao local 6.500 homens, entre bombeiros, policiais e soldados. Ao menos 14 mil casas ficaram sem eletricidade. A Kyushu Electric Power, afirmou que não foi detectada nenhuma anomalia na central nuclear de Sendai, onde se encontram os dois únicos reatores em serviço no Japão.

O tremor registrado em Kumamoto supera o de magnitude 6,5 ocorrido na quinta-feira na mesma região quedeixou 9 mortos e 1.126 feridos, 50 em estado grave. Além disso, este foi o abalo sísmico mais forte no Japão desde 2011, quando um terremoto causou mais de 18 mil mortes e provocou um desastre nuclear na usina de Fukushima. / EFE e AP

Mais conteúdo sobre:
Japãoterremoto

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.