Reprodução/Twitpic
Reprodução/Twitpic

Terremoto de sete graus causa grande destruição no Haiti

Epicentro do terremoto foi em Carrefour, próximo a capital; Brasil tem cerca de 1.300 soldados no país

Reuters, Efe, AP,

12 de janeiro de 2010 | 20h36

Um terremoto de grandes proporções atingiu o Haiti nesta terça-feira, 12. O tremor de sete graus na escala Richter foi detectado às 19h53 (hora de Brasília). Minutos depois, duas réplicas de 5,9 e 5,5 graus atingiram o país. O Palácio do Governo, o principal hospital e os Hotéis Montana - onde mora o general brasileiro que comanda o braço militar da missão - e o Cristopher, utilizado como sede da Missão das Nações Unidas para Estabilização no Haiti (Minustah) estão destruídos.

 

Veja também:

link Instalações brasileiras foram atingidas

link ONU confirma destruição de sua sede no Haiti

som Representante da OEA no Haiti fala sobre o terremoto

som Sismólogo alerta para novos tremores no Caribe

 

Um jornalista do canal Haitipal disse por telefone à agência France Presse que  os prédios dos Ministérios de Finanças, Trabalho, Comunicações e o Palácio de Justiça haviam desmoronado, assim como o Parlamento e a Catedral de Porto Príncipe.

 

O Haiti é o país mais pobre do Hemisfério Ocidental. O Brasil comanda a força de paz da Organização das Nações Unidas (ONU) no Haiti, enviada ao país em 2004, e tem cerca de 1.300 homens na região. O Ministério da Defesa informou, por meio da assessoria, que houve danos materiais em instalações brasileiras no Haiti, com prováveis feridos, mas não havia registro de mortos no primeiro relato enviado nesta noite sobre o terremoto.

 

O epicentro do terremoto foi em terra, a 15 km do sudoeste da capital Porto Príncipe, e também foi sentido com força em grande parte da República Dominicana, que divide com o Haiti a Ilha Hispaniola, e em Cuba.  O terremoto ocorreu a 8 km de profundidade.

 

 

Após o tremor, O Centro de Alerta de Tsunamis do Oceano Pacífico emitiu um alerta de tsunami para a região do Caribe, mas ele foi retirado horas depois. 

 

‘Dezenas de mortos’

 

Um repórter da agência Reuters, Joseph Guyler Delva, disse ter visto dezenas de mortos e feridos entre os escombros, que bloqueou várias ruas da capital. Segundo o repórter, pessoas em pânico tomaram as ruas, escavando desesperadamente entre as ruínas em busca de parentes soterrados em meio à escuridão que tomou conta da cidade. "As pessoas gritavam ‘Jesus, Jesus’ e corriam em todas as direções", disse Delva.

 

Ajuda

 

Em entrevista à rede CNN, o embaixador do Haiti nos EUA, Raymond Joseph, pediu nesta terça ajuda internacional e disse que os danos do tremor podem ter "proporções catastróficas". "Peço ajuda aos EUA. A única coisa que posso fazer é rezar e confiar que o pior não aconteça", declarou, visivelmente abalado. Ele acrescentou que o presidente René Preval e a primeira-dama estão a salvo. Vários países se comprometeram a enviar ajuda, entre eles EUA, França, Colômbia e Venezuela - que despachou imediatamente um navio com suprimentos para o Caribe.

 

 

Imóveis destruídos por terremoto em Porto Príncipe. Foto de Tequila Minsky/New York Times

 

Joseph explicou que tentou ligar para funcionários de seu Governo e que só conseguiu falar com um, que relatou "que as casas caíram dos dois lados das ruas".

 

O diplomata declarou que, previsivelmente, o número de vítimas mortais "será bastante alto" e destacou a pouca solidez das construções em Porto Príncipe, uma cidade que cresceu sem planejamento. "Era uma catástrofe que se esperava".

 

Obama

 

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, já ordenou ao Departamento de Estado e ao Comando Sul do Pentágono que preparem o envio de ajuda humanitária ao Haiti.

 

"Estamos vigiando a situação de perto e estamos prontos para ajudar a população do Haiti", disse Obama em um comunicado. "Envio min hás orações às pessoas que se viram afetadas por este terremoto", acrescentou o mandatário, que foi informado do abalo uma hora após o ocorrido, segundo a Casa Branca.

 

Obama ordenou a seu pessoal que garanta a segurança dos diplomatas norte-americanos no Haiti e que se preparem para enviar ajuda humanitária, caso necessário.

 

A Casa Branca informou que o Departamento de Estado, a Agência norte-americana de Ajuda Internacional e o Comando Sul do Pentágono, que coordena as atividades militares na América Latina, começaram a realizar uma avaliação conjunta da situação no Haiti e a preparar o possível envio de ajuda.

 

O Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) anunciou uma doação imediata de 200.000 dólares para ajudar as vítimas do terremoto. 

 

População ajuda oficiais a carregarem vítima de terremoto na capital Porto Príncipe. AP

 

 

Mais conteúdo sobre:
terremotoHaitiPorto Príncipe

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.