AFP/STR/China
AFP/STR/China

Sobe para 19 o número de mortos por terremoto no centro da China

De acordo com o último balanço divulgado pela imprensa do país, 247 pessoas ficaram feridas em razão do tremor em Sichuan, 40 delas em estado grave; novo abalo de 6,6 graus atingiu a província vizinha de Xinjiang nesta quarta, mas ainda não há relato de vítimas

O Estado de S.Paulo

09 Agosto 2017 | 04h12
Atualizado 09 Agosto 2017 | 09h06

PEQUIM - O número de mortos pelo terremoto registrado na noite de terça-feira na província de Sichuan, no centro da China, um dos mais fortes sentidos no país nos últimos anos, subiu nesta quarta-feira, 9, para 19 e o número de feridos está em 247, segundo os últimos dados publicados pelos meios de comunicação oficiais.

O jornal "Diário do Povo" informou em seu microblog que 40 dos feridos estão em estado grave. O terremoto de magnitude 7 na escala de Richter foi sentido às 21h19 locais da terça-feira (10h19 de Brasília) e afetou principalmente a localidade turística de Jiuzhaigou.

O tremor teve seu epicentro localizado a uma profundidade de 20 quilômetros, segundo o Centro de Redes Sismológicas da China, e sacudiu uma província, Sichuan, que em 2008 sofreu um dos piores terremotos das últimas décadas, com mais de 90 mil vítimas entre mortos e desaparecidos.

O presidente chinês Xi Jinping pediu a mobilização de todos os esforços para organizar os trabalhos de resgate dos feridos e o primeiro-ministro Li Keqiang também solicitou às autoridades locais que fizessem o possível para auxiliar os atingidos.

As autoridades chinesas iniciaram um dispositivo de emergência de nível máximo, com o envio de várias equipes de resgate à região próxima do epicentro. Jiuzhaigou é um vale famoso por suas cataratas e seu relevo cárstico, que atraem muitos turistas todos os anos.

Até o momento, mais de 30 mil turistas foram retirados da região e outros 10 mil permanecem ilhados à espera do resgate, já que os deslizamentos de terra bloquearam as estradas.

Novo tremor

Pelo menos 33 pessoas ficaram feridas e mais de mil casas foram danificadas em razão do terremoto de 6,6 graus que atingiu a região chinesa de Xinjiang na manhã desta quarta-feira, o segundo de grande magnitude no país nas últimas 24 horas.

Dois feridos estão em estado grave e 142 das casas afetadas desabaram, informaram as autoridades regionais. O tremor ocorreu às 7h27 local (20h27, de terça-feira no Brasil) na comarca de Jinghe, e mais tarde foram registradas 121 réplicas, segundo os centros de monitorização sismológica da China.

O terremoto aconteceu menos de 12 horas após o que sacudiu a província vizinha de Sichuan. As autoridades de Xinjiang cancelaram ou interromperam mais de 60 serviços ferroviários e destinaram equipes de bombeiros, saúde e outros departamentos à zona afetada, para onde também foi enviada ajuda humanitária em forma de tendas, cobertores, abrigos e outros móveis e utensílios. / EFE e AFP

Mais conteúdo sobre:
Xi Jinping Terremoto China [Ásia]

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.