Mark Baker/AP
Mark Baker/AP

Terremoto em Christchurch custará US$ 12 bilhões às seguradoras

Se o valor for confirmado, será o segundo desastre natural mais custoso da história, atrás apenas do terremoto de Northridge, na Califórnia, ocorrido em 1994

Efe,

23 de fevereiro de 2011 | 04h20

O devastador terremoto no sul da Nova Zelândia custará às seguradoras cerca de US$ 12 bilhões em indenizações às vítimas e despesas por consertos, segundo um relatório divulgado nesta quarta-feira, 23, pela empresa de consultoria JP Morgan.

Se o valor for confirmado, será o segundo desastre natural mais custoso da história, atrás apenas do terremoto de Northridge, na Califórnia, que em 1994 obrigou as companhias de seguros a desembolsarem US$ 20,3 bilhões.

O documento da JP Morgan publicado pela imprensa local afirma que o valor dos danos será o dobro dos US$ 6 bilhões previstos pelo governo neozelandês.

A destruição em Christchurch foi tanta que até alguns edifícios que se mantiveram de pé precisarão ser reconstruídos.

A Suncorp e a australiana IAG, as duas maiores seguradoras presentes na Nova Zelândia, poderão cobrir suas perdas no presente ano fiscal, mas terão que pedir créditos no próximo.

As duas companhias precisaram desembolsar nos últimos meses centenas de milhões de dólares devido às inundações no norte da Austrália, o maior de uma série de desastres naturais que afetaram o país.

O terremoto em Christchurch deixou até o momento pelo menos 75 mortos e 300 desaparecidos.

Tudo o que sabemos sobre:
terremotochristchurchseguro

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.