Terremoto mata 157 pessoas na China; fere 5.700

O pior terremoto na China em três anos matou pelo menos 157 pessoas e feriu mais de 5.700 neste sábado, disse o Ministério de Assuntos Civis do país.

MICHAEL MARTINA, Reuters

20 de abril de 2013 | 17h18

O tremor de magnitude 6,6 atingiu uma remota, rural e montanhosa região na província de Sichuan, na China perto de onde um grande terremoto deixou mais de 70 mil mortos em 2008.

O terremoto ocorreu às 8h02 pelo horário local (21h02 de sexta-feira em Brasília) no condado de Lushan, perto da cidade de Ya'an. O epicentro teve uma profundidade de 12 quilômetros, segundo o Serviço Geológico dos Estados Unidos.

O terremoto foi sentido por residentes das províncias vizinhas e na capital de Sichuan, Chengdu, fazendo muitas pessoas correrem para as ruas, de acordo com relatos do serviço de rede social Sina Weibo, equivalente ao Twitter.

A maior parte das mortes ficou concentrada em Lushan. Fotos em sites de notícias chineses mostravam prédios sem cobertura e pessoas com curativos ensanguentados sendo tratadas em tendas fora do hospital. O fornecimento de água e eletricidade foi interrompido na região devido ao terremoto.

O presidente do país, Xi Jinping, e o premiê, Li Keqiang, disseram que todos os esforços devem ser destacados para resgatar as vítimas e limitar o número de mortos.

De acordo com a agência de notícias Xinhua, depois de chegar à zona do desastre por helicóptero, Li comandou os esforços de ajuda em uma praça no distrito municipal de Longmen, em Lushan.

"As primeiras 72 horas são preciosas para o resgate", disse Li a autoridades, segundo a agência de notícias Xinhua.

Equipes de resgate de Lushan retiraram 91 sobreviventes dos escombros, informou a Xinhua. Em vilarejos próximos ao epicentro, quase todas as casas baixas e edifícios desabaram, de acordo com imagens mostradas na televisão estatal.

Tudo o que sabemos sobre:
CHINATERREMOTOMORTOSATUA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.