Terremoto mata oito pessoas na Itália

Um terremoto de 5,4 graus na escala Richter matou hoje pelo menos oito pessoas na vila de San Giuliano Di Puglia - seis delas, crianças de um jardim da infância que participavam de uma festa de Dia das Bruxas -, informaram as autoridades italianas. Havia mais de 50 menores no interior do edifício de três andares (cujo teto de madeira desabou) e 7 professores. Duas mulheres foram encontradas mortas nas imediações da escola, depois que suas casas também desabaram.Cerca de 23 crianças, entre 3 e 9 anos, foram resgatadas com vida dos escombros do prédio. Pelo menos 20 continuam soterradas. As equipes de resgate chegaram a entrar em contato com algumas delas. "Achamos que a armação de madeira do telhado acabou criando um bolsão que as mantém vivas", disse um deles.As crianças resgatadas, todas com ferimentos generalizados, foram levadas a hospitais de região. O estado de oito delas é muito grave, informou a RAI (rede estatal de rádio e televisão). A emissora mostrou cenas do resgate das últimas três, cobertas de poeira, ocorrido oito horas após o início do trabalho da equipe de resgate, reforçada por 200 carabineiros (policiais). As câmeras registraram também cenas de desespero dos pais dos soterrados, que tentavam romper o cordão de isolamento mantido pelos policiais.Os trabalhos prosseguiam na noite de hoje com potentes holofotes. Escavadeiras removiam entulho sem cessar. "A escuridão dificulta nossa tarefa, mas não podemos parar, porque, neste caso, cada minuto é uma eternidade", disse um bombeiro. Tonino Scarlatelli, porta-voz do governo de Molise (província à qual pertence San Giuliano), definiu a situação como "extremamente grave e desoladora".Segundo ele, praticamente todas as crianças estavam juntas porque participavam da festa. "Um pequeno grupo, no entanto, estava nos jardins do prédio e escapou ileso", acrescentou.San Giuliano, um pequeno povoado de 1.200 habitantes, está coberto de dor enquanto a Itália ainda se recupera dos danos causados pela atividade do vulcão Etna, na Sicília.O drama em San Giuliano começou às 11h32 (horário local), quando um tremor de intensidade mediana provocou o desmoronamento do único edifício moderno desta vila medieval: a escola, construída há 50 anos.As aulas dos alunos maiores haviam terminado com duas horas de antecedência para a preparação da festa, fato que salvou a vida de pelo menos 40 crianças e alguns professores. A tragédia se intensificou quando um segundo tremor, meia hora depois do primeiro, destruiu o pouco que havia ficado em pé da escola.A onda sísmica se moveu do sul ao centro da Itália, de Puglia Basilicata, Campânia, Marcas e Abruzzos até a Toscana, no centro da península, e foi sentida também na Croácia.Especialistas negam que o movimento sísmico tenha relação com a extraordinária atividade do Etna, na Sicília, onde também se registraram fortes tremores nos últimos dias.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.