Narendra Shrestha/EFE
Narendra Shrestha/EFE

Terremoto mata pelo menos 12 na Índia e no Nepal

Extensão do desastre ainda não é bem conhecida, já que tremor atingiu sobretudo regiões montanhosas

Agência Estado

18 Setembro 2011 | 15h48

Um forte terremoto atingiu o nordeste da Índia, o Nepal e Bangladesh no começo da noite deste domingo (pelo horário local, às 18h10), disseram autoridades, matando pelo menos 12 pessoas, danificando prédios e levando muitas pessoas na capital do Nepal, Katmandu, a correrem assustadas pelas ruas. A emissora de TV regional indiana NewsLive relatou que entre 10 e 12 edifícios desmoronaram em Gangtok, capital do Estado indiano de Sikkim.

Pelo menos cinco pessoas foram mortas pelo sismo em Sikkim e mais de 50 ficaram feridas, de acordo com o secretário estadual Karma Gyatso. Os Estados indianos de Bengala Ocidental e Bihar registraram cada um uma morte e o governo do Nepal disse que cinco pessoas foram mortas na capital Katmandu e que dezenas estão feridas.

A verdadeira extensão do desastre ainda não é bem conhecida, uma vez que o terremoto foi sentido principalmente nas regiões montanhosas do norte da Índia e no Nepal, regiões escassamente povoadas. O epicentro do terremoto localiza-se 68 quilômetros ao sudeste de Gangtok, perto da fronteira da Índia com o Tibete (China).

A Força Aérea da Índia enviou cinco aviões às regiões mais afetadas e o primeiro-ministro Manmohan Singh ofereceu enviar tropas em auxílio aos resgates no Estado de Sikkim.

O terremoto também foi sentido na capital da Índia, Nova Délhi, e na capital de Bangladesh, Daca. As pessoas saíram de prédios que balançaram na noite deste domingo e foram assustadas para as calçadas das ruas e avenidas.

R.S. Dattatreyan, autoridade indiana de sismologia, disse que o terremoto teve uma magnitude preliminar de 6,8. O centro do tremor foi detectado perto da fronteira com o Nepal, e desencadeou pelo menos outros dois abalos de magnitude 6,1 e 5,3. De acordo com ele, mais tremores são possíveis.

As informações são da Associated Press.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.