Terremoto matou ao menos onze, afirma imprensa estatal do Irã

Número de mortes ainda pode aumentar; tremor de terça foi seguido por 30 outros sismos

Agência Estado e NYT

21 de dezembro de 2010 | 10h38

Iraniana lamenta morte de parentes no terremoto da terça-feira.

 

Atualizado às 18h09

 

TEERÃ - Um terremoto de magnitude 6,5 atingiu o sudeste do Irã, matando ao menos onze pessoas e ferindo ao menos 40, segundo a mídia iraniana. O tremor atingiu 30 vilarejos habitados por cerca de quatro mil pessoas, e 1800 casas foram danificadas. Deslizamentos provocaram o isolamento de alguns povoados e linhas de energia acabaram prejudicadas.

 

O terremoto ocorrido no fim da segunda-feira, pelo horário local, com seu epicentro próximo da cidade de Hosseinabad, na província de Kerman, foi seguido por mais de 30 outros tremores, incluindo um de magnitude 5, informou a agência Mehr, citando o departamento de geofísica da Universidade de Teerã.

 

A imprensa estatal informou que tremores leves continuavam a ocorrer perto do epicentro do terremoto mais violento. "Até agora, o estrago se concentrou em vilas em áreas de Sahraj e sete mortos e centenas de feridos foram retirados dos escombros", disse o governador de Kerman, Esmail Najjar, segundo a agência Mehr. "Considerando o estrago, o número de mortos deve aumentar."

 

Outros meios da imprensa iraniana registravam números de mortos um pouco diferentes. A televisão estatal citou quatro mortes, atribuindo a informação ao chefe dos serviços de emergências médicas do país, Gholam Reza Masoumi. O vice-governador da província de Kerman, Javad Kamali, disse à TV estatal que cinco pessoas morreram.

 

Hosseinabad fica perto da cidade de Bam, onde houve um terremoto de magnitude 6,3 em dezembro de 2003, matando 31 mil pessoas, um quarto da população da cidade. O Irã fica em meio a várias falhas geológicas e há o risco de frequentes terremotos no país, muitos dos quais devastadores. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
Irãterremotomortes

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.