Terremoto na Argentina mata duas pessoas

Depois do terremoto que sacudiu o Chile durante a madrugada deste Sábado (27), outro forte sismo ocorreu nas províncias argentinas de Salta e Jujuy, deixando dois mortos. Uma parede caiu em cima de uma criança de oito anos e um homem de 59 anos faleceu com o desmoronamento da casa onde vivia. O terremoto na Argentina, com epicentro a 15 quilômetros da cidade de Salta, teve magnitude de 6,1 graus na escala Richter e ocorreu no início da tarde deste sábado.

MARINA GUIMARÃES, Agencia Estado

27 de fevereiro de 2010 | 21h32

Segundo as autoridades policiais, o garoto que faleceu vivia em uma fazenda a 25 quilômetros de Salta. A outra vítima encontrava-se em uma cabana construída em um morro, a 45 quilômetros da capital saltenha, cujo acesso só é possível a cavalo. A polícia informou ainda que a mãe do menino e outro garoto de sete anos ficaram feridos. "No momento do terremoto, uma parede caiu e atingiu o menino, que chegou ao hospital com traumatismos graves", conforme declaração do centro de saúde que atendeu o garoto.

O Instituto Nacional de Prevenções de Sismos informou que o terremoto em Salta "não está associado" como réplica do fenômeno de 8,3 graus da escala Richter que provocou destruição no Chile. Os geólogos disseram ao jornal La Nación que "foram dois sismos diferentes, um maior e outro menor, mas no caso de Salta é algo cotidiano". Contudo, outras Províncias argentinas sentiram as repercussões do terremoto chileno. A terra tremeu em Mendoza, Catamarca, San Juan, Rio Negro e La Pampa. Em San Juan, o governo teve que fechar a tradicional Festa Nacional do Sol, que ocorre nesse fim de semana, onde aconteceram cenas de pânico e muita correria.

A Defesa Civil informou que até a noite de sábado não havia registrado outras vítimas na Argentina. Mas no Chile, o número de mortos já chegou a 214. Comovida pela tragédia, a presidente Cristina Kirchner telefonou para a presidente chilena, Michele Bachelet, e ofereceu ajuda da Argentina.

Tudo o que sabemos sobre:
TerremotoArgentinamortos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.