Terremoto na China deixa 760 mortos

Esforço. Equipes de resgate buscam sobreviventes em prédio que veio abaixo em Yushu

Cláudia Trevisan, correspondente em Pequim, O Estado de S.Paulo

15 de abril de 2010 | 00h00

PEQUIM - Equipes de resgate lutavam ontem contra a altitude, a dificuldade de acesso e o frio para tentar salvar vítimas soterradas pelo terremoto de 7,1 graus na escala Richter que atingiu a Província de Qinghai, no noroeste da China, e deixou pelo menos 760 mortos e mais 11 mil feridos, sendo alguns em estado grave.

 

Veja também:

linkTaiwan oferece equipes de resgate

link'É muito difícil salvar pessoas com as próprias mãos', diz soldado

linkEm 2008, terremoto matou cerca de 90 mil pessoas na China

linkDensidade demográfica é causa de grande número de mortes

especialOs piores terremotos desde 2000

mais imagens Veja imagens do tremor em Qinghai

O epicentro do tremor localizou-se na cidade de Yushu, próxima da fronteira com o Tibete, que fica a 4.000 metros de altitude e a 800 quilômetros da capital da província, Xining. Quase todos os habitantes do local são tibetanos, que vivem em casas típicas de barro e madeira. As construções são frágeis e cederam facilmente ao terremoto, o que explica o alto número de feridos.

Segundo a agência oficial de notícias Nova China, 85% das casas e 70% das escolas de Yushu foram destruídas pelo tremor, que ocorreu às 7h49 locais de ontem (noite de terça-feira em Brasília). Em uma das escolas havia entre 30 e 40 pessoas soterradas, que equipes de resgate tentavam com dificuldade retirar dos escombros.

"Nós temos de usar principalmente nossas mãos para tirar os escombros, já que não temos grandes máquinas escavadeiras", disse um policial da equipe de resgate chamado Shi Huajie. O terremoto também derrubou templos, provocou deslizamentos de terra, interrompeu estradas e afetou o fornecimento de energia. A operação de resgate foi comprometida por 18 tremores secundários que ocorreram ao longo do dia, o mais forte dos quais atingiu 6,3 graus na escala Richter.

O número de mortos pode subir em razão do grande número de pessoas ainda soterradas sob os escombros de casas, escolas, lojas e templos. Até a noite de ontem, 40 corpos haviam sido retirados de locais que desabaram.

"Vejo pessoas feridas em todos os lugares. O maior problema agora é que nós temos falta de tendas, equipamento médico, remédios e médicos", afirmou um funcionário da prefeitura de Yushu. "As ruas estão tomadas por pessoas em pânico e feridas, muitas das quais sangrando na cabeça", acrescentou.

Os hospitais da região eram incapazes de atender à demanda de milhares de feridos que precisavam de socorro. Na noite de ontem, 3.600 feridos estavam recebendo tratamento, de acordo com as autoridades locais. A organização Médicos Sem Fronteiras anunciou o envio de três médicos para avaliar a situação em Yushu, mas eles só conseguirão chegar ao local no sábado.

Dificuldades. Os que sobreviveram enfrentaram o drama de passar a noite desabrigados, com temperaturas abaixo de zero e vento intenso. O governo despachou para o local 10 mil tendas e 100 mil cobertores e casacos, quantidade insuficiente para atender todos os que perderam suas casas.

Durante o dia de ontem, 700 soldados participavam das operações de resgate, enquanto outros 4.600 estavam a caminho da região. Além de buscar sobreviventes, eles tinham de reparar a estrada que serve o aeroporto local e abrir caminho para a chegada de socorro. O vice-primeiro-ministro Hui Liangyu chegou a Yushu na noite de ontem para coordenar os trabalhos.

A Província de Qinghai é vizinha à de Sichuan, onde há quase dois anos um terremoto de 8 graus provocou a morte de 87 mil pessoas, das quais pelo menos 5.300 eram alunos que estavam nas escolas no momento do tremor. "Nossa prioridade é salvar os estudantes. Escolas sempre são lugares onde há muitas pessoas", afirmou Kang Zifu, militar que participa das operações de resgate.

Cronologia

Os piores abalos do país

23 de maio de 1927

Gansu

Tremor de 8 graus na Província de Gansu deixa 41 mil mortos

11 de maio de 1974

Sichuan e Yunnan

Mais de 10 mil pessoas morrem nas Províncias de Sichuan e Yunnan em terremoto de 7,1 graus

28 de julho de 1976

Tangshan

Terremoto de 7,8 graus é registrado na cidade de Tangshan, 200 quilômetros ao leste de Pequim, deixando pelo menos 242 mil mortos e 164 mil feridos

12 de maio de 2008

Sichuan

Pelo menos 87 mil pessoas morrem após tremor de 8 graus na Província de Sichuan, entre elas, várias crianças. Cerca de 4 milhões de pessoas ficam feridas

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.