Terremoto na China obriga 400 mil a se deslocarem

Mais de 400 mil pessoas precisarão ser realocadas depois que um terremoto que atingiu o sudoeste a China destruiu milhares de casas, informaram hoje os meios de comunicação chineses. O tremor de 6 graus na escala Richter ocorrido ontem em Yao''an, na província de Yunnan, matou uma pessoa e deixou 325 feridas, das quais 24 com gravidade, segundo a agência de notícias estatal "Xinhua". Nove tremores secundários foram registrados, o último deles com magnitude de 5,2 graus na noite desta sexta-feira. Não há informações sobre mortos ou feridos em decorrência desse tremor.

AE-AP, Agencia Estado

10 de julho de 2009 | 09h35

O terremoto de quinta-feira provocou a queda de 18 mil casas e danificou outras 75 mil. A agência de notícias informou que o Ministério de assuntos civis ordenou o envio imediato de 5 mil barracas e outros materiais de ajuda para o local. O departamento de assuntos provinciais já determinou a distribuição de 4 mil barracas, 3 mil cobertores e outros materiais para Yao''an. Mais de mil policiais e soldados foram enviados para a região do tremor, informou a "Xinhua".

Yunnan é uma região montanhosa propensa a terremotos que fica ao Sul da China, na fronteira com a Tailândia e Mianmar. A área também faz fronteira com a província de Sichuan, onde um terremoto de 7,9 graus deixou mais de 90 mil mortos ou desaparecidos no ano passado.

Tudo o que sabemos sobre:
Chinaterremoto

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.