AFP PHOTO / Aulia AHMA
AFP PHOTO / Aulia AHMA

Terremoto na Indonésia deixa turistas presos e mata 16 pessoas

Tremor de de magnitude 6.4 na escala Richter provocou destruição na ilha turística de Lombok, e deixou 689 pessoas isoladas na montanha do vulcão Rinjani

O Estado de S.Paulo

30 Julho 2018 | 18h41

As autoridades da Indonésia estimam que cerca de 689 pessoas ficaram isoladas na montanha do vulcão Rinjani, na ilha turística de Lombok, depois que um terremoto de magnitude 6.4 na escala Richter provocou destruição e matou ao menos 16 pessoas na Indonésia. O terremoto e as posteriores réplicas que atingiram a região na manhã de domingo, 29. 

+ Mais de 500 alpinistas ficam isolados em vulcão após terremoto na Indonésia

O grupo começou a descer em segurança somente na tarde desta segunda. Os tremores deixaram pelo menos 16 mortos, 335 feridos e provocaram danos em cerca de 1.500 edifícios. O número exato de pessoas que ficaram presas no vulcão não está claro porque as autoridades têm os dados dos turistas que se registraram para subir, mas não de quantos desceram.

O Parque Nacional do vulcão Rinjani indicou no Twitter que as rotas de Senaru e Timbanuh estão aptas para a descida. As autoridades enviaram equipes de resgate terrestre e helicópteros para a região do vulcão. 

Entre os alpinistas bloqueados estão americanos, alemães, franceses, holandeses e tailandeses. "Centenas de alpinistas na cratera em áreas de escalada não conseguiram descer quando quiseram, porque os caminhos ficaram cobertos de destroços de deslizamentos de terra e havia o temor de deslizamentos subsequentes", disse o porta-voz da Agência Nacional de Gestão de Desastres (BNPB), Sutopo Purwo Nugroho. Pelo menos um alpinista morreu após ser atingido por pedras caindo, disse Sutopo.

Até 820 pessoas, a maioria estrangeiras, estavam no Monte Rinjani quando o terremoto ocorreu e bloqueou duas trilhas. Normalmente os alpinistas levam dois dias e uma noite para chegar à borda da cratera do Rinjani e voltar. "Pensei que eu ia morrer", contou John Robyn Buenavista, norte-americano de 23 anos que estava no pico no momento do tremor, à Reuters. "Eu me agarrei ao chão. Parecia não terminar nunca. Vi pessoas despencando." Buenavista disse que estava prestes a tirar fotos ao amanhecer na borda da cratera quando sentiu o tremor, e o primeiro pensamento que lhe ocorreu foi que o vulcão havia entrado em erupção. 

Vídeos dados à CNN por um grupo de trekking tailandês, Trekmania, que estava em Rinjani quando o terremoto atingiu enormes nuvens de poeira cobrindo as encostas da montanha, desencadeadas pelos deslizamentos de terra. Tipatai Phusit, um excursionista da Tailândia, estava no topo do Monte Rinjani quando o terremoto atingiu o país, e disse que viu várias pessoas atingidas por pedras e destroços.

Atração turística

O vulcão, que está a 3.726 metros acima do nível do mar, é o segundo maior da Indonésia e muito popular entre os turistas. As trilhas nas montanhas foram fechadas após o tremor por medo de novos deslizamentos.

O epicentro foi registrado 50 km a nordeste da principal cidade de Lombok, Mataram, segundo o Serviço Geológico dos EUA (USGS). O sismo foi seguido por outros dois considerados fortes e mais de 100 tremores secundários. / AFP, EFE e AP

Mais conteúdo sobre:
Indonésia [Ásia]terremoto

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.