Crack Palinggi/Reuters
Crack Palinggi/Reuters

Terremoto na Indonésia matou pelo menos 1.100, diz ONU

Governo afirma que cerca de 2.400 pessoas ficaram feridas e milhares estariam soterradas sob os escombros

estadao.com.br,

01 de outubro de 2009 | 14h20

O número de mortos do terremoto que atingiu a Indonésia na quarta-feira subiu para pelo menos 1.100, mas deve ser ainda maior, disse o subsecretário-geral para Assuntos Humanitários da Organização das Nações Unidas (ONU), John Holmes, nesta quinta-feira, 1. "Obviamente há muitas centenas de pessoas feridas e eu temo que esses números subirão quando chegarem mais informações".

 

Veja também:

link Estudo americano pode ajudar na previsão de tremor

mais imagens Galeria: Danos provocados pelo tremor 

O terremoto de 7,6 graus na escala Richter derrubou prédios e provocou incêndios na cidade de Padang, cidade de 900 mil habitantes na costa da ilha de Sumatra, prejudicando o fornecimento de energia e as comunicações. Equipes de resgate procuravam encontrar outros sobreviventes embaixo dos escombros. As autoridades temem que milhares de pessoas possam estar soterradas e o número de mortos pode aumentar. Cerca de 2,4 mil pessoas ficaram feridas após o tremor.

Nesta manhã, um novo tremor atingiu a região, causando mais danos. O abalo sísmico de 6,8 graus foi aconteceu às 8h52 (22h52 de quarta-feira no horário de Brasília), mas a cerca de 200 quilômetros do epicentro do terremoto da véspera. O terremoto de quarta-feira foi sentido às 17h16 (7h16 em Brasília) e teve origem a 85 quilômetros de profundidade, próximo da cidade de Padang, na costa leste de Sumatra, segundo o Instituto Geológico dos EUA. Vários tremores secundários de mais de 6 graus de magnitude foram sentidos na sequencia e um terremoto de 7 graus, horas depois.

Hospitais, escolas e lojas ficaram destruídos, foram registrados deslizamentos de terra e linhas de energia foram cortadas. O fornecimento de eletricidade foi restaurado em algumas áreas de Padang nesta quinta-feira. O médico David Lange, da organização de auxílio Surfaid International, afirmou à BBC que um hospital em Padang ficou "completamente destruído" e que os médicos estão tendo que improvisar para ajudar as vítimas do tremor. "Eles estão tentando operar em um estacionamento, em uma barraca, na lama", disse Lange.

Bob McKerrow, chefe das operações da Cruz Vermelha na Indonésia, afirmou à BBC que os trabalhos de resgate estão sendo dificultados pela destruição causada pelo tremor. "É uma área muito grande para se trabalhar com uma infraestrutura tão ruim. As estradas e pontes estão todas danificadas, temos um grande desafio à frente."

Soldados e funcionários do Ministério da Saúde também desembarcaram na cidade, mas a falta de maquinário para realizar o resgate de soterrados continua sendo um problema. Comida, remédios e sacos para embalar corpos também foram enviados, assim como barracas para os desabrigados, informou o Ministério da Saúde.

O tremor de quarta-feira aconteceu nas proximidades da mesma falha geológica onde ocorreu o tsunami de 2004, que matou 230 mil pessoas em diversos países da região.

Geólogos já alertavam que Padang fica em uma área perigosa e que poderia ser completamente destruída por sua localização. A Província indonésia de Sumatra Ocidental é predominantemente rural, com florestas densas e praias populares entre surfistas.

Tudo o que sabemos sobre:
Indonésiaterremoto

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.