Terremoto no Chile sobe para magnitude 8,2

Após o forte terremoto que abalou a costa norte do Chile, o subsecretário do interior do país, Mahmud Aleuy, afirmou que o único problema até o momento tem sido muito trânsito no processo de retirada dos moradores, segundo publicou o jornal local La Tercera. Há pouco, o Centro de Pesquisa Geológica dos Estados Unidos (USGS, na sigla em inglês) atualizou a magnitude do tremor para 8,2, de 8,0.

AE, Agência Estado

01 de abril de 2014 | 22h44

Imagens de TV chilenas mostram um grande número de pessoas nas ruas das cidades costeiras do norte do Chile. No início desta noite as autoridades ordenaram a retirada da população em várias cidades por causa do alerta de tsunami emitido para todo o litoral do pacífico, sendo que as ondas podem atingir inclusive o Havaí. Hospitais nas cidades costeiras também estão sendo evacuados.

No Twitter e nos jornais locais há fotos de congestionamentos e um grande número de pessoas deixando suas casas a pé em diversas cidades, como em Valparaíso e Iquique.

Há relatos de rachaduras em algumas estradas do norte do Chile, deslizamentos de terra e algumas cidades estão sem energia elétrica, mas até o momento a informação é de que não há danos mais sérios. As primeiras ondas do tsunami já chegaram em algumas cidades, mas por enquanto a onda de maior altura foi 2,5 metros, informou Aleuy ao La Tercera. Outros terremotos mais fracos deram sequência ao tremor inicial, com magnitudes de 6,2 e 5,5.

Um funcionário do escritório de defesa civil do Peru disse à Associated Press que cidades costeiras também estão sendo evacuadas por lá. (Fernando Ladeira - fernando.ladeira@estadao.com)

Tudo o que sabemos sobre:
Chileterremototsunami

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.