Terremoto no Japão é o pior da região em quase 1.200 anos

Fenda aberta pelo abalo sísmico é pouco inferior à área do Estado de Sergipe, segundo USGS

Associated Press

11 de março de 2011 | 16h33

Geólogo do USGS mostra epicentro do terremoto em mapa.

 

WASHINGTON - O terremoto de magnitude 8,9 na escala Richter que atingiu o Japão nesta sexta-feira, 11, foi o pior já registrado na região em quase 1.200 anos, informou o Serviço Geológico dos EUA (USGS, na sigla em inglês). De acordo com o órgão, o abalo sísmico abriu uma fenda de 240 quilômetros de largura por 80 quilômetros de comprimento - uma área pouco inferior à do Estado de Sergipe.

 

Veja também:

blog Tempo real: Acompanhe a tragédia no Twitter e no Radar Global

especial Infográfico: Entenda o terremoto no Japão

documento Relatos: envie textos, vídeos e fotos para portal@grupoestado.com.br

som Território Eldorado: Ouça relato do embaixador e de brasileiros no Japão

mais imagens Galeria de fotos: Tremor e tsunami causam destruição

 

David Applegate, conselheiro científico para terremotos e riscos geológicos do órgão, afirmou que o tremor, que também provocou um tsunami que devastou as regiões litorâneas da região nordeste do Japão, pode ter causado um prejuízo estimado em "dezenas de milhões de dólares" em danos estruturais.

 

O terremoto desta sexta é o maior já ocorrido no país desde que os sismos começaram a ser registrados, há 140 anos. É também o sétimo pior da história. O tremor principal aconteceu às 2h46 de Brasília, com epicentro a 130 quilômetros de Sendal, na ilha de Honshu, e com profundidade de 24,4 quilômetros, na mesma região onde há dois dias ocorreu um terremoto de 7,3 graus que não deixou vítimas.

 

O abalo foi sentido na em Tóquio, embora a capital japonesa esteja situada a quase 400 quilômetros da principal área afetada. A cidade sofreu com cortes de energia elétrica, dos serviços telefônicos e com a suspensão dos sistemas de trens e metrôs. Há relatos de que o tremor foi constatado até em Pequim, na China.

 

Mais de 50 réplicas seguiram o tremor principal, a maioria de magnitude superior a 6. Esses novos tremores contribuíram para o tsunami que devastou algumas regiões do país e que chegou até o Havaí. Mais de 20 países emitiram alertas devido ao risco das ondas gigantes chegarem aos seus territórios.

 

Recentemente, uma dessas réplicas voltou a assustar os japoneses. Um novo tremor foi sentido na província montanhosa de Niigata, na região oeste da ilha de Honshu, a principal do arquipélago japonês. O abalo ocorreu por volta das 4 horas de sábado (horário local, 16 horas em Brasília), informou a emissora de televisão NHK. Segundo o USGS, o tremor ocorreu a 1 quilômetro de profundidade e teve magnitude 6,2.

 

 

Veja também um mapa da força do tsunami.

 

 

Leia ainda:

linkTerremoto é o sétimo mais intenso da história

linkNúmero de mortos pode passar de mil, diz agência

linkGoverno tenta evitar desastre nuclear após tremor

linkJapão pode adiar eleições

linkGoverno envia militares e pede ajuda dos EUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.