Terremoto sacode Paquistão e estragos parecem limitados

Um terremoto de magnitude 7,2 atingiu o sudoeste do Paquistão, sacudindo moradores de cidades mais distantes como Nova Délhi e Dubai, mas o epicentro foi longe de grandes centros populacionais.

REUTERS

18 de janeiro de 2011 | 20h50

Inicialmente, o Departamento de Pesquisas Geológicas dos EUA informou que o sismo havia sido de magnitude 7,4, e teria ocorrido a uma profundidade de apenas 10 quilômetros, o que poderia ter causado graves danos.

Mas esse temor foi afastado após uma reavaliação dos geólogos norte-americanos, segundo os quais o foco do tremor ocorreu a 83 quilômetros de profundidade, com epicentro 55 quilômetros a oeste de Dalbandin, cidade com cerca de 15 mil habitantes.

Em Dalbandin, várias pessoas ficaram feridas quando os telhados de suas casas desmoronaram, afirmou à Reuters o ministro provincial do Transporte, Amanullah Notizai, mas até agora não havia relatos de fatalidades.

O sismo ocorreu por volta de 1h23 de quarta-feira (18h23 de terça em Brasília). Os primeiros relatos vindos da região, próxima à turbulenta fronteira com o Afeganistão, sugerem que houve um número pequeno de feridos, inclusive pelo fato de a área ser esparsamente povoada.

O tremor foi sentido em Karachi, principal cidade portuária do Paquistão, e em lugares distantes, como Nova Délhi (Índia) e Dubai (Emirados Árabes), mas sem relatos de danos ou vítimas.

O Centro de Tsunamis do Pacífico disse que o terremoto, por ter ocorrido no interior, não tinha potencial para causar um maremoto no oceano Índico.

Se tivesse tido um foco pouco profundo e ocorrido numa área mais populosa, um terremoto como esse teria capacidade para causar graves danos no Paquistão, país onde inundações deixaram mais de 10 milhões de desabrigados no ano passado.

Em outubro de 2005, um terremoto de magnitude 7,6, com epicentro 95 quilômetros a nordeste de Islamabad, matou mais de 70 mil pessoas.

(Reportagem de Chris Albritton, em Islamabad; e de Sandra Maler, em Washington)

Tudo o que sabemos sobre:
PAQUISTAOTERREMOTO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.